Logística de cargas perigosas: 5 questões que você deve ficar atento!

Logística de cargas perigosas: 5 questões que você deve ficar atento!

Qualquer operação de transporte exige cuidados especiais, mas quando tratamos sobre cargas perigosas, as precauções precisam ser redobradas para não oferecer riscos às pessoas, aos equipamentos e ao meio ambiente!

Descubra, a seguir, o que caracteriza uma carga perigosa, quais são os principais cuidados que devem ser adotados durante o seu transporte e o que pode ocorrer caso eles sejam negligenciados. Continue a leitura!

Quando uma carga pode ser considerada perigosa?

São consideradas cargas perigosas todas aquelas que podem ser nocivas ao meio ambiente, à população e aos seus bens, bem como à segurança pública.

De acordo com a Resolução 5.232/16, mais de 3 mil itens são considerados perigosos, tendo em comum suas características de origem biológica, química ou radiológica.

Podemos classificar as cargas perigosas em 9 categorias, sendo elas:

  • Gases, que se dispersam no ar com facilidade e, na maioria das vezes, não têm cheiro e nem cor, como a amônia, o cloro ou mesmo o gás de cozinha
  • Sólidos inflamáveis, como o enxofre, que se inflama sob atrito ou em contato com chamas
  • Líquidos inflamáveis, que incluem combustíveis comuns como o óleo diesel ou a gasolina, que entram em combustão sob altas temperaturas
  • Materiais radioativos, geralmente utilizados nas áreas hospitalares e industriais, que exigem o uso de contêineres blindados para que a radioatividade não se espalhe
  • Substâncias infectantes ou tóxicas, como os pesticidas, por exemplo, que são produtos químicos capazes de provocar danos significativos à saúde
  • Peróxidos orgânicos e substâncias oxidantes, que podem causar incêndios por peróxido de hidrogênio ao liberar oxigênio
  • Materiais explosivos, como pólvora ou nitroglicerina, que são capazes de gerar altas quantidades de gases e de calor
  • Substâncias corrosivas, como a soda cáustica ou o ácido sulfúrico, que causam queimaduras quando em contato com a pele, tanto em seu estado líquido, quanto sólido
  • Itens e substâncias perigosas em geral, que incluem as cargas perigosas que não se adéquam às classificações citadas até aqui. O exemplo mais comum é o das baterias de lítio.

Descubra, no próximo item, quais os cuidados em comum que todas essas categorias exigem durante o seu transporte.

Quais os principais cuidados que devem ser adotados no transporte de cargas perigosas?

Para garantir que as cargas perigosas não ofereçam riscos ao condutor, às pessoas e ao ambiente, alguns cuidados fundamentais precisam ser adotados. Confira os principais deles:

1 Uso dos EPIs necessários

Os Equipamentos de Proteção Individual são imprescindíveis para o condutor da carga e para todos os profissionais que irão manipulá-la.

Existem EPIs específicos para cada tipo de material transportado, que devem ser utilizados tanto durante o transporte, quanto no manuseio do material.

Seu uso evita danos maiores em eventuais casos de acidente e ainda evita a aplicação de multas.

2 Utilização das embalagens corretas

As cargas perigosas contam com tipos próprios de embalagens homologadas para o seu armazenamento de transporte, de acordo com a natureza do produto.

Entre as características gerais das embalagens, estão questões como:

  • Identificação clara das características do item transportado
  • Respectivos símbolos, marcações e alertas quanto aos riscos que oferece
  • Cor e volume que as destaquem, evitando manuseios equivocados
  • Confecção em materiais resistentes e duradouros, adequados para as peculiaridades do item em questão
  • Perfeito estado de conservação.

Além desses requisitos, existem também particularidades que devem ser observadas de acordo com os tipos de cargas perigosas manuseadas.

Durante o transporte de combustíveis, por exemplo, é preciso que sejam utilizados tanques próprios, capazes de evitar oscilações de temperatura para que não ocorra combustão acidental.

Já no caso dos gases, é preciso que sua contenção os mantenham comprimidos em estado gasoso, para que não ocorram vazamentos. Há ainda a questão dos materiais radioativos, que precisam de invólucros com isolamento completo contra a radiação.

3 Sinalização correta

Sinalização correta de carga perigosa

De modo a facilitar a identificação dos itens transportados em casos de situações adversas, como acidentes ou vazamentos, alguns tipos de sinalizações são obrigatórios.

Nas cargas perigosas é preciso constar o rótulo de risco, o número ONU e painel de segurança.

Isso facilita eventuais operações de limpeza na pista ou mesmo situações de resgate, que podem imediatamente ser estabelecidas de acordo com os padrões de segurança do produto identificado.

4 Limitação de circulação junto aos órgãos competentes

Para minimizar ao máximo a exposição aos riscos das cargas perigosas, os pontos de circulação dos veículos de transporte podem ser limitados, principalmente em áreas com reservatórios de água, alta densidade populacional ou de proteção ambiental.

É papel do expedidor avisar aos órgãos de fiscalização qual será a rota em que a carga passará, bem como suas áreas de estacionamento, carga e descarga.

Em algumas cidades e estados, existem também leis específicas para esse tipo de questão, que restringem a circulação de itens que ofereçam perigo aos transeuntes. Por isso, é sempre interessante informar a rota estabelecida aos órgãos competentes.

5 Riscos potenciais e disposições mediante reação

Existe um documento chamado Material Safety Data Sheet (MSDS), o qual deve conter informações sobre os riscos que esse tipo de carga apresenta, como manuseá-la adequadamente e ainda quais medidas tomar caso esta carga reaja.

6 Vete qualquer tipo de carga extra

Também é proibido por lei que qualquer veículo que esteja transportando cargas perigosas utilize eventuais espaços extras para movimentar outros tipos de itens, como alimentos, remédios ou qualquer produto de consumo humano, ou animal.

Outro ponto que é vetado é o transporte de pessoas ou animais com esse tipo de carga, a não ser o próprio condutor e eventuais auxiliares.

O que pode acontecer caso essas precauções não sejam adotadas?

O objetivo dos cuidados mencionados nos itens anteriores é assegurar que os riscos oferecidos ao meio ambiente e às comunidades sejam os mínimos possíveis durante o transporte de cargas perigosas.

Quando essas precauções são negligenciadas, ou mesmo quando eventuais acidentes na estrada comprometem sua integridade, uma série de problemas pode ocorrer.

No caso de cargas inflamáveis, o risco mais urgente é de explosões e incêndios, que podem se tornar extremamente graves caso a estrada conte com grande movimentação.

Em casos de químicos não inflamáveis, a simples inalação pode causar a intoxicação de pessoas, que pode ser agravada caso ocorra absorção cutânea ou mesmo a ingestão.

Há também o fator ambiental, em que ecossistemas podem ter sua flora e fauna comprometidas quando as substâncias contaminam reservatórios de água, solo ou mesmo plantações.

E então?

Você viu que falamos sobre quando uma carga é considerada perigosa, quais cuidados devem ser tomados durante o transporte e ainda, o que pode ocorrer caso essas precauções não sejam adotadas.

São muitos detalhes que precisam ser vistos, concorda? Por isso conte com o auxílio de um agente de carga para atender as exigências requeridas.

Com parceiros qualificados e experiência na logística de cargas perigosas, nós da DC Logistics Brasil podemos auxiliar em todas as etapas para que o transporte deste tipo de mercadoria seja efetuado com qualidade e eficiência da origem até o destino.

Se você ficou com alguma dúvida sobre o assunto, entre em contato conosco! Se desejar, clique abaixo e solicite uma cotação de frete sem compromisso!

Solicite uma cotação

5 dicas para melhorar a gestão no setor de logística

5 dicas para melhorar a gestão no setor de logística!

Manter um setor de logística eficiente é primordial para qualquer empresa que deseja otimizar as suas operações e recursos para garantir mais relevância e competitividade no mercado. 

Por mais que cada negócio tenha suas próprias características e demandas, existem alguns cuidados comuns que podem contribuir para o sucesso logístico das mais variadas organizações.   

A seguir, confira 5 dicas de práticas importantes na área para melhorar o seu setor de logística!

1 – Modernize o seu setor de logística

Um setor de logística eficiente é aquele capaz de otimizar as suas demandas internas, garantindo o melhor padrão de produtividade e os menores custos possíveis para as operações internas.

Durante o armazenamento, transporte e controle dos produtos, muitos dados precisam ser registrados, consultados e gerenciados, função que é passível de erros que podem comprometer os resultados operacionais, principalmente em empresas maiores.

Ao adotar um sistema informatizado de gestão, é possível monitorar e registrar as informações de maneira muito mais rápida, segura e eficiente.

Além dos benefícios agregados no dia a dia dos funcionários e gestores do seu negócio, esse tipo de tecnologia ainda permite a geração de relatórios de desempenho, que servem como base para a tomada de decisão.

Com um acesso prático e imediato aos dados logísticos mantidos no sistema, é possível detectar quais são os itens de maior demanda, qual a capacidade de distribuição, quais produtos são mais rentáveis, entre outros fatores importantes.

2 – Mantenha uma equipe de controladoria

Por mais que ainda não seja muito comum entre as empresas brasileiras, um bom setor de controladoria pode tornar a logística muito mais eficiente, detectando falhas e processos passíveis de melhorias.

Assim como no caso descrito no item anterior, esse tipo de função também pode ser otimizado através de softwares específicos, que oferecem a possibilidade de análise e ação de maneira muito mais assertiva e veloz.

Em poucas palavras, é a controladoria que examina todos os detalhes das movimentações financeiras, detectando desperdícios, eventuais gargalos e até mesmo casos como cobranças indevidas.

3 – Promova treinamentos constantes entre o seu time de profissionais

Promova atendimentos constantes entre seus profissionais

Tenha em mente que, tão fundamental quanto a adoção de novas tecnologias e métodos de gerenciamento, é a qualificação das pessoas que lidarão diretamente com essas questões.

Uma capacitação completa dos profissionais é imprescindível para que os investimentos no setor de logística realmente valham a pena e para que ele opere em seu pleno potencial.

Quando todos estão bem preparados em suas funções, os processos ganham em termos de adequação e evolução, já que o conhecimento de todos sobre as questões internas propicia a proposta de melhorias e a detecção de erros.

Outro ponto positivo de investir na qualificação da equipe, seja por meio de cursos, workshops ou palestras, é que os profissionais sentem quando a empresa investe neles, tornando-se ainda mais comprometidos e engajados com os resultados.

 4 – Forneça um bom atendimento aos clientes

Mesmo quando todas as práticas e cuidados são adotados para tornar o setor de logística o mais eficiente possível, nenhuma empresa está livre de eventuais imprevistos ou falhas.

Quando ocorrem atrasos nas entregas de produtos, o índice de satisfação dos clientes pode ser afetado significativamente, tornando um simples problema operacional uma enorme fonte de prejuízos na imagem do negócio.

Os clientes que optam por entrar em contato com alguma empresa geralmente já estão sofrendo problemas e querem uma resolução rápida, por isso o atendimento precisa estar apto para resolver empecilhos da melhor maneira possível.

Após se desculpar pelos empecilhos e explicar com clareza a natureza da situação enfrentada, uma solução deve ser disponibilizada com agilidade.

Quando problemas eminentes vão afetar a distribuição, uma boa tática é informar os consumidores previamente por meio dos seus canais de distribuição, antes mesmo que as reclamações surjam, demonstrando seu comprometimento com a questão.

5 – Contrate um operador logístico especializado

Por mais que o controle interno da logística seja primordial, é possível também atribuir algumas funções e desafios a terceiros, para que a sua empresa conte com a qualidade de alguns serviços de profissionais especializados na área.

Desde a gestão de meios de transporte, seguros, projetos integrados de logística, processos de importação e exportação, dentre muitos outros, o operador logístico pode agregar mais segurança e produtividade nas operações.

Além de proporcionar mais eficiência e segurança nas operações, você e os demais integrantes do setor de logística podem direcionar o foco para outras questões enquanto o operador logístico lida com esses desafios, proporcionando uma capacidade de crescimento ainda maior.

Com uma logística eficiente e diferenciada, que se adapta às principais necessidades dos seus parceiros, a DC Logistics Brasil é referência na área e pode ajudar a sua empresa a garantir um padrão incomparável de excelência em suas operações!

Desde 1994 somos referência nesse mercado e contamos com uma ampla rede de atendimento em todo o território nacional, além de representantes internacionais, que proporcionam mais agilidade e integração entre os principais polos logísticos.

Se você ficou com alguma dúvida sobre o assunto ou quer saber como podemos proporcionar avanços na logística do seu negócio, clique abaixo e entre em contato conosco!

Tire suas dúvidas

Importação direta e indireta

Importação direta e indireta: saiba a diferença e as vantagens de cada uma!

Optar pela importação direta ou indireta é uma importante escolha para as empresas que precisam lidar com o comércio internacional.

Enquanto a primeira é operacionalizada pela própria organização, a segunda conta com o apoio de um agente de carga, especializado nesse tipo de logística.

É fato que não existe uma resposta certa sobre qual é a melhor escolha: tudo depende do perfil de cada negócio e das vantagens oferecidas pelo eventual agente!

A seguir, saiba mais sobre cada tipo de importação e entenda as suas principais vantagens e desvantagens. Continue a leitura!

Como é feita a importação direta?

Qualquer empresa pode realizar a importação direta, entretanto isso exige preparo, conhecimento na área e a habilitação junto à Receita Federal.

Além de habilitar o radar de importação sob os critérios da lei, você deve desenvolver estudos sobre os produtos e fornecedores pretendidos para as suas operações comerciais.

Após essa etapa, é dado início à etapa de contato e negociações junto aos fornecedores previamente selecionados. É após o apagamento que o gerenciamento do embarque feito por você é iniciado.

Quais são as suas principais vantagens?

Em poucas palavras, ao optar pela importação direta, sua empresa garante mais flexibilidade para seus processos logísticos e agrega controle integral sobre eles. Isso não dependendo de terceiros para operacionalizar o transporte das suas mercadorias.

Apesar de interessantes, porém, esses benefícios são acompanhados de algumas demandas e até mesmo contrapartidas que precisam ser consideradas.

Quais as desvantagens da importação direta?

Para que todos os benefícios mencionados no item anterior sejam possíveis, é necessário levar em consideração uma série de fatores organizacionais que precisam ser otimizados e estar em pleno alinhamento para as demandas de importação.

Isso inclui o investimento em uma estrutura completa focada no time de importações, que deve ser devidamente equipado e qualificado para atender às exigências legais e de mercado que envolvem essa complexa atividade.

Além disso, a falta de experiência em importações pode dificultar a vida das empresas que estão começando nessa área.

Problemas de negociação com estrangeiros e falta de conhecimento sobre os mercados de fornecimento são alguns dos problemas mais comuns nesse sentido. Falta de familiaridade com procedimentos, legislação e custos são outros empecilhos.

Para driblar esse tipo de situação muitos negócios apostam na contratação de operadores logísticos especializados em importações. Saiba mais sobre esse tipo de negócio no próximo item.

O que é importação indireta?

o que é a importação indireta

Conforme mencionamos logo no início do artigo, a importação indireta é aquela que tem toda a sua operação feita por meio de uma empresa intermediária, que conta com a experiência e qualificação necessária para o processo.

Sua adesão geralmente é feita por conta das facilidades e da segurança que oferece aos importadores e exportadores, mas também existem casos em que o operador logístico possui exclusividade sob as operações de determinado produto.

Basicamente, nessa modalidade, todo o processo logístico é feito pelo agente em questão. Isso inclui desde os tramites para autorização junto à Receita Federal, até a finalização da coordenação de embarque.

Por que a importação indireta é vantajosa?

O benefício mais marcante ao optar por um agente de carga que realiza importações indiretas é a praticidade agregada nesse tipo de serviço. Isso porque, os especialistas na área conhecem todas as suas nuances e o realizam de maneira muito mais veloz.

Isso também acrescenta mais segurança e economia, já que eventuais erros e repetições são evitados durante os processos.

Como se não bastasse, por seu contato constante com representantes do mercado internacional, o poder de barganha aumenta junto aos fornecedores. Isso muito também por conta dos conhecimentos específicos sobre o mercado em questão.

Basicamente, as vantagens da importação indireta representam o inverso dos argumentos apresentados no item sobre as desvantagens da importação direta!

Isso quer dizer que o operador logístico contratado garante mais facilidade de comunicação com os agentes externos, maior conhecimento sobre os processos burocráticos, além de melhor capacidade de negociação.

Claro que, como em qualquer negócio, essa modalidade também pode trazer alguns pontos negativos. Descubra os principais deles no próximo item.

Quando não optar pela importação indireta?

Por mais benéfica e segura que seja a importação indireta, ela exige que você abra mão do contato direto com os fornecedores escolhidos, o que torna as parcerias mais impessoais.

Ao perder o controle integral das suas operações logísticas relacionadas à importação, os negócios muitas vezes também perdem flexibilidade nesse sentido, já que passam a depender dos prazos e parâmetros dos agentes de carga.

Apesar disso, com parceiros comprometidos e alinhados às demandas do seu negócio, é possível driblar essas questões! Saiba, no item seguinte, como optar pelo agente de carga ideal para as importações da sua empresa.

Como optar pelo operador logístico ideal para as importações da sua empresa?

Todas as intermediações feitas por operadores são submetidas à regulamentação da Receita Federal por meio dos regimes de importação por encomenda e importação por conta e ordem.

A primeira questão para observar no agente de carga escolhido é o alinhamento aos requisitos legais impostos por essas modalidades. Outro ponto indispensável é verificar a experiência dele no segmento, bem como, a qualificação e relação com outros clientes.

No mercado desde 1994, a DC Logistics Brasil se destaca no gerenciamento logístico de transportes internacionais, já que conta com uma rede completa de parceiros qualificados e tem foco total nas necessidades dos clientes!

Ela também mantém um constante processo de qualificação da equipe e realiza o aprimoramento dos processos, reafirmando sua posição de referência no setor.

E você, gostou de saber mais sobre os detalhes da importação direta e indireta? Se ficou com alguma dúvida sobre o assunto, entre em contato conosco!

Se desejar, faça o download gratuito do nosso Guia passo a passo de realização da operação de importação!

Download Guia Passo a passo para a realização da operação de importação

Incoterms 2020 confira algumas mudanças e pontos importantes

Incoterms 2020: confira algumas mudanças e pontos importantes

Com implementação prevista já para 1 de janeiro de 2020, o documento Incoterms 2020 é uma revisão que agrega novas prioridades e melhora substancialmente alguns aspectos abordados na última versão, que foi lançada pela ICC em 2010.

Resumidamente, Incoterms é um conjunto de termos comerciais empregados em vendas domésticas e internacionais. Eles são estabelecidos pela Câmara de Comércio Internacional a fim de garantir a sua padronização internacionalmente. 

A seguir, veja qual é a cobertura dos Incoterms 2020, o que motiva a sua atualização, quais são as alterações mais relevantes da nova versão e quando ela passará a ser válida para os contratos comerciais!

O que é coberto pelos Incoterms 2020?

Os Incoterms contemplam diversos itens práticos de um contrato comercial, por meio de um conjunto completo de termos e seus conceitos. Entre as situações previstas, estão:

  • As obrigações e responsabilidades dos vendedores e compradores
  • Prazos e hora de entrega
  • Transferência de risco
  • Seguros
  • Divisão de custos diversos
  • Responsabilidades sob a entrega das mercadorias
  • Despachos de importação e exportação.

As partes podem não adotar todos os termos previstos no Incoterms 2020, optando por apenas inserir requisitos específicos que sejam relevantes para o acordo.

Diversos pontos fundamentais para que os acordos sejam celebrados não são inseridos, a fim de garantir que sua definição seja feita de acordo com a situação específica de cada documento.

Entre aquilo que o Incoterms 2020 não contempla, estão situações como:

  • Precificação das mercadorias
  • Minucias sobre as obrigações de pagamento
  • Casos de insolvência
  • Força maior
  • Exigências de embarcação
  • Terminação
  • Jurisdição aplicável
  • Restrições de comércio e conformidade.

Para que a aplicação dos Incoterms seja considerada válida em um contrato, as partes precisam se referir expressamente a eles, já que não possuem força de lei independente.

A referência expressa pode ser feita por meio de termos especiais do acordo ou em termos de contrato padrão.

Agora que você já sabe quais são as aplicações dos Incoterms 2020, saiba mais sobre os fatores que motivaram a sua atualização e a relevância deles no item seguinte!

Por que os termos passaram por atualização?

Por que os termos passaram por atualização?

Os Incoterms 2020 surgiram para garantir uma melhor adequação dos termos contratuais com as mudanças sofridas pelo mercado contemporâneo.

A fim de preservar sua utilidade e relevância perante o comércio global, os novos termos visam acompanhar o crescimento da economia mundial e ampliar o acesso a novos mercados.

Além de ter foco na segurança de todo o processo de transporte de mercadorias, o documento ainda solicita que os bancos tenham conhecimentos sobre embarque a bordo durante algumas vendas financiadas nos termos da regra de Free Carrier (FCA).

Outro ponto importante da atualização foi o aumento da flexibilidade das coberturas de seguro, de acordo com as peculiaridades de cada tipo de mercadoria e meio de transporte.

Logo na introdução uma diferença marcante já foi estabelecida para otimizar a celebração dos contratos, oferecendo uma explicação completa sobre a escolha da regra mais adequada para cada perfil de acordo de vendas.

Para garantir mais clareza aos empreendedores, no início também são listadas as mudanças sofridas pelos Incoterms 2020 em relação à última versão.

Quais foram as principais alterações do Incoterms 2020 em relação à versão anterior?

Confira, a seguir, as alterações mais relevantes presentes no Incoterms 2020:

  • Conhecimento de Embarque (BL) com emissão a bordo para transações FCA, que prevê que o local da entrega pode ser no próprio estabelecimento do vendedor/exportador ou em outro local nomeado no contrato
  • Revisão do termo FCA para incluir uma opção onde o responsável pela contratação do frete principal deve instruir o transportador a emitir o BL a bordo para o vendedor logo após o embarque e, em seguida, o vendedor enviar o conhecimento para o comprador, viabilizando o desembaraço da carga no destino
  • Diferentes níveis de cobertura de seguro para os termos CIF e CIP, em que o termo CIF permanece com a obrigatoriedade de cobertura mínima, enquanto o termo CIP terá a necessidade de contratação de seguro com cobertura máxima. As partes ficam livres para negociar níveis diferentes de cobertura, desde que expressamente descritas em contrato
  • Reconhecimento do transporte por meios próprios nas entregas de FCA, DAP, DPU e DDP
  • Inclusão de requisitos bem claros relacionados às obrigações das partes no que tange à segurança no transporte, bem como os custos envolvidos
  • Inclusão do ‘Explanatory Notes for Users’, em que cada termo descrito conta com uma nota explicativa com detalhes sobre quando deve ser utilizado, o ponto de transferência do risco e como os custos devem ser alocados
  • Reorganização da alocação dos custos, que lista todos os custos envolvidos na operação em uma só sessão do guia
  • Substituição do termo DAT pelo DPU, para explicitar que a entrega pode ocorrer em qualquer local nomeado, e não apenas em um terminal. É importante ressaltar que a entrega e transferência do risco ocorrem após a descarga da mercadoria, à disposição do comprador/importador. Nesse caso, as formalidades aduaneiras são de responsabilidade comprador/importador.

Quando os novos termos serão válidos?

A menos que o contrato em questão aponte o contrário, os acordos já existentes que utilizam o Incoterms 2010 continuarão o tendo como base, mesmo que a sua execução ocorra em 2020.

Depois que o novo modelo entrar em vigor, a partir de 1 de janeiro de 2020, é natural que os tribunais e juízes interpretem qualquer menção aos Incoterms em novos contratos como alinhada à versão de 2020, salvo quando há referências contrárias.

Em relação aos acordos feitos entre o fim de 2019 e janeiro de 2020, é recomendado que as partes sejam claras sobre a versão que está sendo aplicada de maneira expressa, para que não ocorram problemas de interpretação.

Caso você queira adquirir o material completo para ficar por dentro de todos os seus pormenores, basta acessá-lo no site da Câmara de Comércio Internacional (ICC)!

E você, já está preparado para se adequar aos Incoterms 2020? Se ficou com alguma dúvida sobre o assunto, entre em contato conosco! Se desejar, clique abaixo e solicite uma cotação de frete sem compromisso!

Solicite uma cotação

RADAR Siscomex – entenda a importância de se habilitar neste sistema

O RADAR Siscomex é uma ferramenta indispensável para qualquer empresa que atua com processos de importação ou exportação!

Criado pela Receita Federal Brasileira, o sistema é utilizado para evitar fraudes em relações de comércio exterior. O que o torna essencial para garantir pleno alinhamento dos negócios em relação às exigências legais e aduaneiras do país.

A seguir, entenda melhor o conceito, como aderir a ele, quais as suas modalidades e como um bom operador logístico pode lhe auxiliar em relação ao tema. Continue a leitura!

O que é o RADAR Siscomex?

O conceito de RADAR Siscomex é definido como Sistema Ambiente de Registro e Rastreamento da Atuação dos Intervenientes Aduaneiros.

De acordo com a própria Receita Federal, seu principal objetivo é fornecer dados contábeis, fiscais e aduaneiros em tempo real.

Por meio da ferramenta, o órgão garante um banco de dados completo sobre os inúmeros agentes envolvidos em atividades de comércio exterior no país.

Isso permite a criação e o estabelecimento de perfis de risco, a fiscalização dos negócios e a identificação de padrões comportamentais que auxiliam no controle e combate de fraudes.

Ao reunir todos os dados das organizações que mantém relações de comércio exterior em uma única plataforma, o RADAR Siscomex é um sistema fundamental para o controle mercantil das fronteiras brasileiras!

Qualquer empresa que queira manter atividades comerciais internacionais precisa licenciar-se junto à ferramenta, não importa se o seu objetivo seja a exportação ou a importação de produtos.

Com exceção das importações feitas para consumo próprio, que devem ser viabilizadas junto aos Correios, que conta com suas próprias limitações de frequência e de valores, é preciso ter um CNPJ para ser capaz de importar qualquer produto.

Senso assim, apenas pessoas jurídicas podem habilitar-se no RADAR Siscomex para desempenhar esse tipo de atividade.

Confira como solicitar a sua adesão

Radar Siscomex

Para dar início às operações de comércio exterior, é necessário ir até uma unidade da Receita Federal Brasileira e apresentar toda a documentação exigida.

As leis que versam sobre o tema e trazem todos os parâmetros para a correta adesão ao RADAR Siscomex são:

  • Instrução Normativa RFB nº 1.603, de 15 de dezembro de 2015, que “estabelece procedimentos de habilitação de importadores, exportadores e internadores da Zona Franca de Manaus para operação no Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex) e de credenciamento de seus representantes para a prática de atividades relacionadas ao despacho aduaneiro”
  • Portaria Coana nº 58, de 26 de julho de 2016, que “altera a Portaria Coana nº 123, de 17 de dezembro de 2015, que estabelece normas complementares para a habilitação de importadores, exportadores e internadores da Zona Franca de Manaus para operação no Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex), credenciamento de seus representantes nos casos de dispensa de habilitação e credenciamento de representantes no Sistema Mercante”.

Dica: Para garantir pleno alinhamento ao que versam essas normas, é possível consultar o Manual de Habilitação no Siscomex, que foi criado pela Receita Federal para melhor orientar os importadores e exportadores quanto às minucias da adesão ao RADAR.

Os próprios empresários podem encaminhar a documentação ao RADAR Siscomex, mas dada a complexidade de suas nuances, é comum que esse tipo de tarefa seja realizado por operadores logísticos ou despachantes aduaneiros.

Os detalhes procedimentais não serão abordados nesse artigo, já que são mais voltados à ordem técnica, mas é fundamental que os gestores saibam previamente em qual modalidade desejam se enquadrar, já que cada uma possui exigências próprias.

Quais são as modalidades disponíveis na ferramenta?

As modalidades de adesão presentes no RADAR Siscomex são voltadas a perfis específicos de empresas, por isso possuem exigências próprias de regulamentação, conforme mencionado anteriormente. São elas:

  • Pessoas Físicas, que visam importações para consumo próprio. É ilimitado para exportação, porém limitado à declaração de I.R.
  • Microempreendedor Individual, em que o limite de importação é de $ 50.000,00 semestrais. Nessa categoria não há limite para exportações
  • Radar Express, que é ilimitado para exportações e voltado para negócios que queiram começar suas operações comerciais com limite semestral de $ 50.000,00 para importações
  • Radar Limitado, que tem limite de $ 150.000,00 semestrais para importações e exportações ilimitadas
  • Radar Ilimitado, que também conta com exportações ilimitadas e é voltado para empresas que desejam importar acima do limite de $ 150.000,00 por semestre.

Antes da adesão, é importante observar que, por mais que o limite de importação para MEIs seja generoso, a lei brasileira exige que o seu faturamento anual não ultrapasse o limite de R$ 81.000,00.

No caso do Radar Express, caso o limite financeiro seja atingido antes do período de seis meses, o RADAR Siscomex faz um bloqueio automático, impossibilitando seu registro de D.I. e exigindo uma nova solicitação para a categoria seguinte.

No próximo item, veja como um bom operador logístico pode esclarecer e resolver todas essas questões para a sua empresa, tornando a adesão ao RADAR muito mais fácil!

Saiba como um bom operador logístico pode auxiliar com o RADAR Siscomex

Conforme mencionamos anteriormente, a contratação de profissionais especializados na área pode ser uma excelente escolha para as empresas que desejam aderir ao RADAR Siscomex.

Além de poupar o trabalho de solicitar toda a documentação necessária para a Receita Federal, esse tipo de serviço ainda garante mais velocidade e fluidez durante o enquadramento, evitando erros comuns de quem não tem experiência no assunto.

Os operadores logísticos que desempenham essa atividade atuam desde a formalização do pedido e preenchimento dos requerimentos, até o agendamento junto à Receita Federal e o acompanhamento de todas as etapas do processo.

Se você ficou com alguma dúvida sobre o assunto ou quer saber como podemos ajudá-lo a aderir ao RADAR Siscomex, clique abaixo e entre em contato conosco!

Tire suas dúvidas

Container NOR – entenda mais sobre ele e suas vantagens

O Container NOR, sigla do inglês para “Non-Operating Reefer” ou simplesmente Container Refrigerado Desligado, ainda é um tabu para muitos importadores brasileiros, seja por falta de conhecimento ou por medo dos riscos envolvidos em utilizar esse tipo de container.

Porém, utilizar um container NOR para a importação de carga seca pode trazer benefícios para o importador, e é o que veremos neste conteúdo.

Container NOR: importação e exportação

O Brasil é um grande exportador de produtos básicos para diversos parceiros comerciais em todo o mundo e nossa economia historicamente tem esse perfil.

Se pegarmos os dados do MDIC de janeiro a agosto deste ano, por exemplo, veremos que as exportações de Carne Bovina, Suína e de Frango para a China, que é nosso maior parceiro comercial, representam mais de 5% da nossa balança de exportação para este país.

Além disso, também somos grandes exportadores de frutas. Todos esses produtos precisam de algum tipo de controle de temperatura e, por este motivo, o Brasil demanda uma grande quantidade de container Reefer em seus terminais.

Em contrapartida, quase tudo que a China exporta para o Brasil são produtos manufaturados e carga seca geral, que não demanda um controle específico na temperatura.

Esse desbalanceamento de demanda por container Reefer e Dry também é possível observar, mesmo que em menor escala, em outros grandes parceiros comerciais, como é o caso da União Europeia, por exemplo.

É claro que essa desproporcionalidade de demanda por tipo de container gera um problema. No caso do Brasil, por exemplo, sobram containers Dry armazenados nos terminais e constantemente faltam equipamentos refrigerados.

Solução para a falta de equipamentos refrigerados

Para resolver esse problema os armadores precisam fazer o reposicionamento destes equipamentos para equilibrar a oferta e demanda de cada país ou região, para os mais diversos tipos de containers.

Esse reposicionamento nada mais é que o transporte de containers vazios dentro dos navios que operam determinada rota. Isso acaba gerando um alto custo logístico e impactando diretamente no frete do consumidor final.

Diante desta problemática, a solução que os armadores encontraram para fazer o reposicionamento dos containers refrigerados foi vendê-los como container NOR. Com isso, ao invés de mandar quantidades enormes de containers refrigerados vazios para o Brasil, é possível utilizá-los desligados para acomodar carga seca, aquelas que não exigem controle específico de temperatura.

Vantagens ao contratar um frete de container NOR?

A principal vantagem a ser destacada, naturalmente, é o próprio custo do frete. Como o armador já teria que mandar um container refrigerado para atender a demanda brasileira e desocupar os terminais chineses, que os utilizam numa escala exponencialmente menor na exportação, por exemplo, o frete para um container NOR costuma ser até 40% mais barato que o Dry, dependendo da época do ano.

Além disso, quanto mais container NOR contratado, menor o custo com reposicionamento e, consequentemente, menor custo operacional do navio. Se o custo é menor, no final o frete ficará mais barato para todo mundo. É assim que gira a roda da economia.

O frete compõe o valor CIF da mercadoria e que é utilizado de base de cálculo para o pagamento dos tributos na importação. Contratando um container NOR, além do frete, o importador verá seus gastos com a tributação reduzirem proporcionalmente.

Quais cuidados devem ser tomados?

É importante analisar antes do embarque o tipo de mercadoria que está sendo embarcada e também a forma de manuseio.

Os containers refrigerados possuem um isolamento térmico feito de poliuretano e revestido com alumínio ou aço inoxidável que pode ser avariado dependendo o tipo de carga ou amarração utilizada, diferente do container Dry, que conta apenas com uma parede de aço sem nenhum revestimento térmico.

Com isso, é necessário muito cuidado na carga e descarga deste container, pois o custo de um reparo por uma avaria é mais elevado que de um container Dry.

Outro ponto importante é que um container NOR tem uma diferença de até 9m³ menor que um container 40’ HC, por exemplo. Então é importante checar se o espaço interno é suficiente para acomodar a mercadoria.

O container NOR proporciona isolamento térmico e é completamente vedado contra a entrada de humidade e ar externo. Por conta disso, se uma mercadoria ou embalagem for estufada com muita humidade ou mesmo molhada, isso deve se condensar dentro do container durante os vários dias que a carga ficará no mar e pode provocar problemas na mercadoria.

E então?

Pelo fato do container NOR ser um equipamento mais caro e com menor disponibilidade no mercado global, os custos de demurrage deste tipo de equipamento também são mais elevados que um container Dry.

Se a carga importada vai ficar um longo período no terminal e não é possível de ser desovada, melhor calcular os eventuais custos de demurrage e verificar se o frete irá compensar.

Tomados estes cuidados, certamente trazer uma carga através de um container NOR pode ser uma economia muito significativa na importação.

Se interessou nesse tipo de equipamento? Restou alguma dúvida? Entre em contato com a DC Logistics Brasil. Somos especialistas nesse tipo de operação e teremos prazer em lhe ajudar!

Solicite uma cotação

Carga projeto: saiba mais sobre essa solução para cargas especiais

Uma boa carga projeto é aquela capaz de enfrentar todos os desafios que envolvem o transporte de itens muito grandes ou com características físicas que não correspondem aos padrões dos meios de transporte comuns!

Confira, a seguir, o que significa esse conceito, qual a sua função e os seus principais benefícios. Além disso, descubra o que valorizar ao contratar uma empresa especializada na área. E ainda, fique por dentro de alguns casos reais de sua aplicação. 

Descubra o que é carga projeto e qual a sua função

O conceito de carga projeto diz respeito aos carregamentos que contam com dimensões ou pesos que não correspondem aos padrões tradicionais encontrados nos diferentes modais de transporte.

Seu uso é aplicado a itens como reatores, plataformas, pás eólicas, geradores, guindastes, entre outros com medidas que não podem ser adequadas a contêineres, caminhões e demais meios de transporte convencionais.

Da saída do fornecedor ao processo de transporte e armazenagem à entrega no destino final, é necessário um amplo planejamento logístico, que precisa considerar absolutamente todas as etapas do trajeto.

Seja no fretamento de carretas adaptadas, de espaços ampliados em trens, em soluções de transporte marítimo ou até no aluguel de aeronaves, são necessários diferentes estudos, intervenções e análises de viabilidade.

Imagine, por exemplo, que uma usina precise ser transportada entre duas cidades distantes. Suas dimensões fazem com que essa tarefa seja impossível sem que o trânsito das rodovias que ela atravessará seja afetado.

Sendo assim, mais que considerar as possibilidades dos diferentes modais disponíveis, levando, por exemplo, a carga em um avião ou navio adaptado para as suas dimensões, é preciso também considerar todos os pormenores logísticos.

As estradas em que a usina passará antes e depois do aeroporto ou porto marítimo deverão ser interditadas e o departamento de trânsito precisará ser acionado. Enquanto isso, será preciso alugar um galpão para protegê-la, entre outras situações.

Não importa qual seja o perfil dos itens transportados e modais disponíveis, a carga projeto deve sempre prezar pela integridade e segurança dos materiais, além do melhor padrão de agilidade e custo-benefício de todo o transporte.

Descubra, no item a seguir, todas as vantagens que esse tipo de operação pode agregar para a sua empresa.

Saiba quais são os principais benefícios

Ao contratar um serviço de carga projeto, as empresas garantem a logística adequada para os materiais que precisam transportar.

Entre seus principais benefícios, podemos destacar:

  • Amplo planejamento que garante segurança e confiabilidade no transporte de cargas especiais
  • Possibilidade de utilizar diferentes modais de transporte
  • Estudo de viabilidade para que os meios de carregamento e modais mais viáveis sejam utilizados
  • Melhor poder de negociação com transportadoras e terminais graças ao conhecimento e experiência dos operadores especializados na área
  • Mais tranquilidade para quem envia e recebe a carga, já que tudo ficara sob a responsabilidade de uma empresa terceirizada
  • Obtenção da melhor agilidade possível, também por conta do amplo planejamento realizado
  • Alinhamento às exigências legais de transporte.

Para que essas vantagens sejam possíveis, porém, é indispensável certificar-se de que os operadores da sua carga projeto estejam devidamente preparados para essa missão!

No próximo item, veja os detalhes mais importantes que devem ser priorizados pelos negócios que desejam contratar esse tipo de operação logística.

Entenda o que precisa ser valorizado nesse tipo de operação

Quando tratamos sobre carga projeto, alguns cuidados são imprescindíveis e devem ser observados pelos contratantes que procuram por uma empresa especializada na área.

O primeiro e mais importante deles é certificar-se de que os responsáveis contam com experiência, amplo conhecimento na área, além de estrutura capaz de atender todas as demandas necessárias nesse tipo tão específico e desafiador de logística.

Operadores logísticos que contam com uma equipe exclusiva para os serviços de carga projeto e uma ampla rede de profissionais especializados nesse tipo de operação podem fazer toda a diferença nos seus resultados práticos e financeiros.

Mais que um bom poder de negociação com terminais nacionais para descargas especiais, é preciso também que a empresa desempenhe um planejamento minucioso e focado em cada detalhe do processo.

A minimização de riscos deve ser prezada não só durante a organização logística, mas também durante a contratação de fretes e seguros.

É preciso certificar-se de que o operador logístico seja capaz de atuar em diversos segmentos, para que todas as necessidades e demandas do seu negócio sejam realmente sanadas!

Confira alguns casos reais em que a carga projeto fez a diferença!

Para se ter uma ideia dos desafios que envolvem uma carga projeto, é possível citar algumas operações realizadas pela DC Logistics Brasil, que há mais de 10 anos é referência no setor.

Durante o transporte de uma máquina de polimento de telha cerâmica inteira da Itália para o sul do Brasil, por exemplo, foi manejada uma remessa de duas partes soltas com 33,5 toneladas cada.

Buscada em 3 pontos diferentes no nordeste da Itália e enviada de Livorno para Navegantes, em solo brasileiro, ela media 16,90m de comprimento x 2,40m de largura x 2,40m de altura.

Ambas as partes foram enviadas soltas em um mesmo navio, carregadas e amarradas em uma cama de contêineres flat racks junto dos acessórios, embarcados em 1 x 40’ flat rack, 10 x 40’ OT e 2 x 20’ OT, tudo sob o mesmo Conhecimento de Carga.

Em outro serviço, uma remessa de 6 partes soltas, que continha uma grande turbina de 42,9 toneladas, foi enviada de Paranaguá, no Brasil, para Port Hueneme, Califórnia, nos EUA.

Para esse item de maior porte, foi utilizado um reboque MAFI, enquanto as peças menores eram embarcadas no navio por empilhadeira e manuseadas soltas. A carga foi transportada de Port Hueneme para o Havaí por um agente parceiro local, que fez o transbordo e controlou a remessa até a entrega ao importador.

Muitos outros casos poderiam ser mencionados – a empresa inclusive já transportou uma grande carga no avião Antonov 124, o segundo maior cargueiro do mundo – mas essas duas situações demonstram como experiência e qualificação são fundamentais!

Se a sua empresa precisa de um serviço completo de carga projeto e deseja contar com todo o padrão de qualidade da DC Logistics Brasil, clique abaixo, entre em contato conosco e solicite uma cotação de frete sem compromisso!

Solicite uma cotação

Saiba o que é a logística integrada e como ela pode beneficiar seu negócio!

Para garantir sucesso frente à concorrência e otimizar seus processos internos, as empresas têm investido em soluções gerenciais cada vez mais amplas, robustas e inteligentes, como é o caso da logística integrada.

O conceito, que visa abranger as diferentes áreas de um mesmo negócio para que as demandas dos seus fluxos sejam atendidas em tempo real, pode ser decisivo para os seus ganhos financeiros e para o bom andamento de suas operações.

Descubra, a seguir, o que significa logística integrada e como ela é aplicada no cotidiano das organizações. E ainda, quais os seus principais benefícios e a melhor escolha na hora de contratar uma empresa especializada nesse tipo de serviço!

Entenda o que é logística integrada

Para entender o conceito de logística integrada, primeiro precisamos considerar todas demandas e atividades que estão inclusas na cadeia de suprimentos de uma empresa.

Geralmente, quando falamos sobre os processos logísticos de uma organização, as primeiras funções que vem à mente são aquelas ligadas aos transportes e ao gerenciamento dos estoques, por exemplo.

Nesse sentido, porém, não podemos ignorar questões como o processo de compras, o desempenho da produção e o relacionamento com os fornecedores. E ainda, todas as etapas de transporte e armazenamento, tanto para dentro, quanto para fora da empresa.

O conjunto dos processos e diferentes áreas de uma mesma empresa influenciam diretamente o seu desempenho logístico. Desta forma, a ideia de uma maior integração surgiu para promover mais interatividade e estimular a união entre os setores!

Em poucas palavras, pode-se dizer que a logística integrada considera toda a cadeia de suprimentos, estabelecendo estratégias para que ela seja a mais eficiente possível.

Mais do que o fluxo dos próprios processos internos, essa atividade também lida com o gerenciamento dos dados obtidos e compartilhados em toda a cadeia.

Mesmo que a noção de logística integrada seja relativamente simples, a compreensão se torna mais fácil quando aplicada na prática! Descubra como isso ocorre no próximo item.

Saiba como ela é desenvolvida nas empresas

Logística integrada saiba como ela é desenvolvida nas empresas

O ponto mais relevante para que a logística integrada seja bem desenvolvida dentro das organizações é a criação de um canal de comunicação amplo, ágil e eficiente entre as partes interessadas.

As demandas e as informações precisam ser compartilhadas constantemente. Isso com o intuito de que profissionais de venda, responsáveis pelo estoque e fornecedores possam atuar de maneira imediata.

Para se ter uma ideia de como essa cadeia funciona, imagine todos os setores de um negócio: para que os vendedores possam fechar novas vendas sem problemas com prazos ou faltas de produtos, eles precisam saber exatamente como está o estoque.

No mesmo sentido, os responsáveis pelo estoque precisam informar exatamente como estão os níveis de itens armazenados ao setor de compras, para que novos produtos sejam adquiridos nas quantidades exatas para a demanda.

Na ponta final dessa cadeia, os próprios fornecedores devem ter acesso imediato a essas informações para que possam encaminhar novos carregamentos ao estoque da empresa e se planejar para os novos pedidos.

Aplicando essa lógica à realidade das empresas, é possível dizer que o trunfo de uma boa logística integrada é garantir que os dados sejam compartilhados em tempo real. Isso permite que a tomada de decisões seja mais rápida e menos passível de erros!

Conheça os principais benefícios

Ao compreender como a logística integrada é aplicada em uma empresa, seus principais benefícios se tornam claros aos gestores.

Entre os mais marcantes deles, podemos destacar:

  • Garantia de mais agilidade nos processos internos
  • Diminuição do tempo ocioso
  • Melhoria na tomada de decisões e menor incidência de erros
  • Etapas logísticas mais previsíveis e de adaptação mais fácil
  • Menor incidência de divergência de dados
  • Agilidade, segurança e eficiência que agregam mais competitividade
  • Aumento da performance dos centros de distribuição
  • Melhor capacidade de planejamento e rendimento das atividades
  • Diminuição da complexidade dos processos gerenciais
  • Maior controle sobre informações internas
  • Apoio à tomada de decisões, que se torna muito mais assertiva
  • Visão única e integrada de todos os processos e desafios logísticos da empresa.

Entretanto, vale lembrar que as vantagens só aparecerão caso a gestão da logística integrada seja realmente eficiente.

Para que isso seja possível, é preciso contar com o auxílio de um agente de carga que tenha a devida qualificação e experiência na área e que possa contribuir em certas etapas das operações logísticas do seu negócio.

Descubra como obter as melhores soluções em logística integrada

Referência no mercado logístico, nós da DC Logistics Brasil oferecemos as melhores soluções na área, prezando sempre pelos melhores resultados aos nossos clientes.

Nosso time de profissionais responsáveis pelo serviço é experiente e altamente qualificado. Nesse sentido, está apto para gerenciar, transportar, armazenar e distribuir a sua carga de forma eficiente e segura.

Em todos os processos são aplicadas tecnologias adequadas e de última geração. Isso para que cada processo seja tratado como uma unidade de negócios única e integrada!

Com foco na melhoria contínua, nós atendemos às novas exigências de armazenagem e de cumprimento da cadeia de transporte. Desta forma, garantimos o melhor padrão de desempenho aos nossos parceiros.

Se você ficou com alguma dúvida sobre o tema, entre em contato conosco! Se desejar, clique abaixo, solicite uma cotação de frete e saiba como podemos contribuir na logística integrada da sua empresa!

Solicite uma cotação

Transporte multimodal: saiba o que é e como ele pode ajudar a reduzir custos

Agregando mais economia, segurança e praticidade na locomoção de mercadorias e bens, o transporte multimodal é a escolha mais eficiente para a logística de grande parte das empresas – principalmente para aquelas que lidam com longas distâncias.

Mais que uma solução abrangente para quem necessita de diversas vias de transporte, essa é uma solução que garante um melhor padrão de planejamento, proporcionando ganhos para todos os envolvidos nas operações logísticas.

Descubra tudo sobre esse conceito e seus principais benefícios a seguir. Além disso, saiba quais são os requisitos importantes na escolha de um agente de carga para realizar seu transporte multimodal com excelência!

Entenda o que é o transporte multimodal

Para compreender o conceito de transporte multimodal, é preciso levar em consideração todos os modais disponíveis para a movimentação de mercadorias. Dos principais deles, podemos destacar o rodoviário, o marítimo, o aéreo e o ferroviário.

Em poucas palavras, o transporte multimodal é aquele em que dois ou mais desses modais são empregados em uma mesma operação. Isso com o intuito de sanar necessidades específicas da logística em questão ou mesmo garanti-la em grandes distâncias.

Ao contrário do transporte intermodal que diz respeito a acordos isolados entre cada transportador, no modelo multimodal toda a responsabilidade é de apenas um operador.

Sem se preocupar com cada trecho do caminho que será realizado pela mercadoria e suas respectivas demandas ou contratações, o transporte multimodal garante que tudo seja abrangido em uma mesma operação, sob um único contrato.

Por mais significativo que seja, seu benefício não é apenas essa praticidade! A seguir, confira todas as vantagens que a operação multimodal proporciona aos seus contratantes, operadores e até embarcadores!

Principais benefícios do transporte multimodal

Benefícios do transporte multimodal

Quando o transporte multimodal é feito sob um rigoroso padrão de planejamento e atende às exigências legais de sua categoria, seus benefícios podem ser imensos.

Veja quais são os mais marcantes para todos os envolvidos na cadeia logística:

  • Menos burocracia e complicações com diversos contratados, uma vez que o negócio é feito com apenas uma empresa
  • Aumento da oferta aos transportadores
  • Fretes reduzidos aos operadores, que contam com bons acordos graças à recorrência de contratações e têm liberdade para escolher entre os contratados de melhor custo-benefício
  • Melhor eficiência logística, dada a possibilidade de abranger diferentes modais em um único planejamento
  • Possibilidade de que os contratados em modais específicos não se preocupem com os detalhes da logística, que ficará sob responsabilidade do operador
  • Consequente ganho de agilidade e economia para todos os envolvidos no transporte multimodal
  • Mais segurança e tranquilidade em relação à integridade dos bens, uma vez que o operador deve ressarcir qualquer eventual dano ou prejuízo
  • Emissão de apenas um conhecimento de transporte para o percurso inteiro.

Por mais que todas as vantagens mencionadas sejam o bastante, é preciso garantir a contratação de um bom operador para que elas realmente sejam possíveis.

É importante ter em mente que todos os seus produtos ou bens ficarão sob a responsabilidade de um terceiro, que precisará respeitar as suas particularidades e ainda conhecer os pormenores de cada modal de transporte.

A seguir, confira os principais aspectos legais e institucionais para garantir o perfil ideal de operador logístico na contratação!

Descubra o que procurar no seu operador de transporte multimodal

Operador de transporte multimodal

Todas as partes envolvidas em um processo de transporte multimodal estão submetidas à Lei nº 9.611 de fevereiro de 1998, que dispõe sobre todas as providencias que envolvem o tema.

Nela é previsto o papel do operador de transporte multimodal, que deve ser uma pessoa jurídica e legalmente habilitada na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), que exige registro a cada dez anos.

Os operadores que realizam serviços internacionais também devem se licenciar na Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB), também com validade de uma década.

Além de observar esse tipo de regularização, é preciso ir além e avaliar quão comprometida a empresa operadora é com o seu desenvolvimento e padrão de qualidade no segmento!

Na área, certificações como a ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015 são excelentes indicadores. Isso porque, exigem requisitos alinhados aos principais padrões organizacionais do mundo.

Dada a complexidade do transporte multimodal, é preciso certificar-se que o operador escolhido pelo seu negócio tenha ampla experiência no mercado e invista constantemente na capacitação de seus profissionais.

Além desses requisitos, é preciso ter em mente que todas as vias de transporte envolvidas em uma operação multimodal podem causar impactos ao ambiente e à sociedade que as cercam.

Sendo assim, prezar por operadores com uma ética voltada a essas questões e que desenvolvam programas de responsabilidade socioambiental é também exercer esses compromissos!

E então?

Você viu que apresentamos o conceito do transporte multimodal, bem como, os benefícios desse tipo de logística e quais aspectos avaliar para escolher o agente de carga para efetuar essa operação.

Muitas variáveis devem ser analisadas para que esse modelo de transporte se torne benéfico ao seu negócio. Como mencionado no conteúdo, em situações que exijam a logística de longas distâncias, ele pode ser uma ótima escolha.

Contudo, para que essa decisão seja realizada sem prejudicar a qualidade do seu transporte, é fundamental que você conte com o auxílio de um operador logístico. Isso para averiguar todas as possibilidades, identificando qual a mais rentável e adequada ao transporte da sua carga.

Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Entre em contato conosco! Se desejar, clique abaixo e solicite uma cotação de frete sem compromisso!

Solicite uma cotação

5 dicas para aumentar a produtividade nas operações logísticas

5 dicas para aumentar sua produtividade nas operações logísticas

Quanto mais uma empresa for eficiente em suas operações logísticas, mais capaz ela será de agregar valor aos seus produtos, aperfeiçoar seus recursos e manter uma boa relação com os seus clientes e fornecedores.

Mesmo os negócios com um bom nível de organização muitas vezes acabam pecando em relação ao controle, rotatividade ou monitoramento logístico.

Para aumentar a produtividade nesse sentido, é preciso superar alguns desafios. Estes que são comuns no dia a dia de boa parte dos negócios. Saiba mais sobre esses empecilhos e confira as 5 melhores dicas para aumentar a sua produtividade nas operações logísticas.

O que normalmente prejudica as operações logísticas?

Seja por falta de recursos, organização ou até mesmo atenção, empresas acabam tendo problemas nas operações logísticas por motivos relativamente simples. Entre os principais deles, é possível destacar:

  • Falta de agilidade nas entregas
  • Demora nos processos administrativos
  • Operadores logísticos despreparados ou inexperientes
  • Inexistência ou precariedade no monitoramento
  • Falta de tecnologias adequadas ao segmento
  • Segurança defasada
  • Infraestrutura precária ou inadequada para as operações logísticas.

Saber identificar essas eventuais condições e corrigi-las é o primeiro passo para garantir que as suas operações logísticas não sofrerão com maiores problemas.

Com todas essas questões em ordem, sua empresa terá mais controle sobre os processos e será capaz de otimizá-los conforme as suas necessidades.

No próximo item, descubra as melhores formas de aumentar a produtividade das suas operações logísticas.

Quais os principais meios de aumentar a sua produtividade?

Aumentar a produtividade das operações logísticas da sua empresa pode ser mais simples do que você imagina. Basta seguir alguns requisitos básicos e ter disciplina quanto às prioridades da sua organização!

1 Conheça todos os detalhes sobre seus clientes, fornecedores e produtos

Para que as suas operações logísticas possam ter um grau de produtividade mais alto, é imprescindível conhecer as mínimas peculiaridades sobre toda a sua cadeia de fornecimento.

Você precisa considerar algumas questões básicas sobre o seu negócio para determinar como a sua organização deve se adaptar às principais exigências dos fornecedores, clientes e dos próprios produtos:

  • Quais são os itens com maior demanda e quais são aqueles que geralmente ficam mais parados?
  • Existem movimentações urgentes, como de produtos perecíveis?
  • A infraestrutura exige cuidados especiais, como controle de umidade e temperatura?
  • Os pedidos dos clientes e sua distribuição são afetados por aspectos sazonais?
  • A periodicidade das entregas feitas pelos fornecedores corresponde às saídas de produtos?
  • Qual o tempo médio em que cada item fica armazenado?
  • Há equilíbrio entre os recebimentos e as entregas?

Com todas essas questões em mente a organização das operações logísticas será muito mais clara e eficiente, garantindo um planejamento mais assertivo e realista.

2 Remova estoques parados ou obsoletos

Remova estoque parado

Depois de ponderar todos os detalhes sobre a sua organização e garantir o equilíbrio perfeito entre as entradas e saídas de suas operações logísticas, é preciso ficar atento sobre o melhor uso possível do espaço disponível.

É comum que as empresas sofram com estoques parados, estes que acabam ocupando espaço nos armazéns por falta de vendas ou desequilíbrio no planejamento das compras.

O pior é quando os itens parados acabam se tornando obsoletos, fazendo com que o espaço ocupado e o produto em questão nunca sejam convertidos em lucro para o negócio.

A melhor opção é determinar um prazo mínimo para que certo volume de itens tenha giro. Feito isso, é importante encontrar meios mais eficientes para que eles voltem ao mercado, seja por meio de promoções, sorteios ou outras ofertas especiais.

Caso a defasagem seja elevada e mesmo esse tipo de conversão não seja possível, o melhor a se fazer para evitar maiores prejuízos é encaminhar os produtos para doação, reciclagem ou descarte adequado.

3 Monitore o seu desempenho

Muitos negócios acreditam que basta um bom inventário para se ter um controle eficiente das operações logísticas. Entretanto, para detectar possíveis falhas, processos passíveis de melhorias e aumentar a produtividade, é imprescindível medir o desempenho das atividades.

Você e sua equipe precisam determinar os principais indicadores sobre aquilo que é realizado em sua cadeia logística e garantir uma visão completa de seu ambiente interno e externo.

4 Adote um software de gestão

Para que um bom monitoramento seja possível é preciso utilizar a tecnologia em prol das operações logísticas.

Em um mercado cada vez mais complexo, contar com informações precisas, intuitivas e em tempo real é indispensável para aumentar a produtividade!

Com bons softwares de gestão, os gerentes de logística podem realizar as suas atividades com mais agilidade. E ainda, ter um controle completo sobre a realidade e as demandas da empresa.

5 Contrate um bom operador logístico

Contrate um bom agente de carga

Todas as dicas abordadas são indispensáveis para qualquer empresa, não importa qual seja o porte ou modelo de organização.

Isso quer dizer que todos os gestores devem compreender precisamente cada uma dessas questões. Isso não só para executá-las por meio de seu time interno, mas também para exigi-las de operadores logísticos contratados.

Profissionais especializados na área podem ser a melhor escolha não só para os grandes negócios, mas também para os pequenos e médios. Isso uma vez que agregam muito mais conhecimento, experiência e foco à alguns processos das operações.

Parceiros com soluções eficientes e adequadas às suas necessidades podem garantir mais produtividade e economizar recursos.

No item seguinte, descubra tudo o que é preciso levar em consideração na hora de contratar o operador logístico ideal.

Como optar por um bom operador logístico?

Garantir o melhor padrão de produtividade nas suas operações logísticas é também optar pelos parceiros certos na área. Entre os principais requisitos você deve procurar em um operador, priorize aqueles que:

  • Contemplem diversos modais de transporte
  • Atuem com tecnologias adequadas ao segmento
  • Atendam às novas exigências de armazenagem e cumprimento da cadeia de transporte
  • Tenham foco na melhoria contínua
  • Garantam a segurança das operações, por meio de soluções como seguro e rastreamento de carga
  • Tenham boas referências no mercado e já tenham atuado em grandes operações logísticas
  • Se adaptem às necessidades do seu negócio
  • Atendam às principais normas de qualidade do setor
  • Invistam na capacitação e no treinamento de seus colaboradores
  • Sejam reconhecidos por meio de prêmios nacionais e internacionais.

Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Entre em contato conosco! Se você quer descobrir como as soluções da DC Logistics Brasil podem contribuir para aumentar a produtividade nas suas operações logísticas, clique abaixo e tire suas dúvidas!

Tire suas dúvidas