Exportação de frutas para Europa: quais são as especificações em relação aos outros mercados?

Exportação de frutas para Europa: quais são as especificações em relação aos outros mercados?

O agronegócio brasileiro segue colhendo bons frutos, e isso inclui as boas oportunidades com a exportação de frutas para a Europa.

Afinal, a União Europeia é o maior importador de frutas do mundo. Mas, quem deseja atender aos países do velho continente e fechar novos negócios, precisa estar atento às exigências das operações.

Isso porque, a exportação de frutas para a Europa envolve documentações, cuidados especiais e estratégias de logística internacional específicas. Caso estes fatores não sejam bem executados durante as movimentações, podem ocorrer grandes perdas.

Então, para ajudar você a aproveitar o cenário e semear excelentes resultados no exterior com sua produção, apresentamos as principais soluções para os desafios presentes nas exportações para este mercado. Confira!

Como a pandemia está afetando a exportação de frutas para a Europa e outros mercados?

As expectativas dos produtores de frutas ao atender o mercado exterior são altas, e isso inclui a exportação de frutas para a Europa.

Isso porque, hoje o Brasil já se posiciona como o terceiro maior produtor de frutas do mundo, segundo a Abrafrutas (Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados).

Porém, atualmente o Brasil representa apenas 3,4% do mercado europeu, segundo o panorama compartilhado pela Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura.

Vale reforçar que, de acordo com a HF Brasil, mesmo com toda a variedade da produção brasileira, as que mais representam a exportação de frutas para a Europa são:

  • Abacate;
  • Banana;
  • Figo;
  • Laranja;
  • Limão;
  • Maçã;
  • Mamão;
  • Manga;
  • Melancia;
  • Melão;
  • Uva.

E apesar deste promissor cenário para a fruticultura brasileira na Europa, hoje os produtores precisam lidar com um grande desafio ao exportar: as consequências da pandemia.

Conforme a Abrafrutas, o setor está enfrentando dificuldades para que as mercadorias sejam entregues aos países devido à redução de voos comerciais. Com isso, já se registrou o recuo de 40% das exportações de fruta.

Esta opção tem sido bastante usada pelos exportadores nacionais, pois estes aviões permitem o transporte entre 15 a 20 toneladas diárias, contribuindo assim para vendas de acordo com as demandas.

E para tentar solucionar este dilema, muitas companhias estão transformando voos comerciais em cargueiros, não só para atender a exportação de frutas para a Europa, como também para transporte de insumos médicos usados no combate ao coronavírus.

Esta é uma importante estratégia do modal aéreo para não deixar que as dificuldades do momento reflitam em perdas para os produtores brasileiros.

Exportação de frutas para Europa: quais são as especificações em relação aos outros mercados?
A qualidade da logística internacional na exportação de frutas para a Europa reflete diretamente na forma como o produto final chegará às prateleiras.

 

 

 

 

Quais são os desafios que você deve superar na exportação de frutas para a Europa?

Ao exportar frutas para a Europa, os produtores precisam superar desafios que vão além das exigências de qualidade e segurança alimentar. Elas atendem não só a saúde e bem-estar dos consumidores finais, como também as leis do mercado europeu, que envolve inúmeras nações.

Então, listamos aqui os principais pontos de atenção ao realizar estas movimentações, para que você se mantenha preparado ao aproveitar as oportunidades.

São questões e soluções baseadas em nossa experiência de mercado, bem como, nas orientações de relatório compartilhado pela ApexBrasil e no artigo “Processos de Certificação Para Exportação de Frutas Frescas Brasileiras”, apresentado no Encontro Nacional de Engenharia de Produção.

Custos

Estas commodities estão sujeitas a muitos impostos, taxas, tarifas…Ou seja, para realizar a exportação de frutas para a Europa, é importante já considerar nos orçamentos os valores que serão equivalentes a isso.

Segundo o relatório da ApexBrasil, muitas cotas tarifárias são distribuídas por ordem de chegada, pela Direção Geral da Comissão Europeia, órgão que é responsável pela tributação e aduana.

Não podemos nos esquecer que, no ano passado, foi fechado um acordo entre a União Europeia e Mercosul com vantagens de isenções tarifárias para exportadores de sucos de laranja, frutas, café solúvel, entre outras commodities agrícolas, como informado pelo portal FazComex.

Medidas sanitárias

Hoje, superar as barreiras fitossanitárias para realizar a exportação de frutas para a Europa é um desafio.

Elas envolvem escolhas desde a embalagem, até a qualidade final e regularidade na entrega, conforme apresentado pelo Citrus BR (Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos).

Para envios ao velho continente, por exemplo, os importadores exigem controle dos níveis de contaminantes e de resíduos de defensivos.

Também estão atentos à alta qualidade e até mesmo a rastreabilidade do produto, o que interfere nas compras, pois equivale a facilidade do consumidor de encontrar o produtor caso haja necessidade.

Vale ressaltar que as frutas devem atender às exigências legais do Codex alimentarius, a legislação do mercado exportador, além das normas:

  • ISO, incluindo as 9000 e 22000 (Internacional Standardization Organization),
  • IAF (International Accreditation Fórum),
  • IAAC (International Accreditation Co-operation),
  • IFOAM (International Federation of Organic Agriculture Movement)
  • E IOBC (International Organization for Biological Control of Noxious Animals and Plants).

Vale ainda consultar outras certificações, de acordo com cada setor, incluindo para produtores orgânicos.

Embalagens

Existem alguns requisitos específicos para realizar a exportação de frutas para a Europa. Eles são apresentados pelo Ministério da Agricultura, de acordo com o Regulamento de Execução (UE) nº 543/2011, da Comissão Europeia.

Primeiramente, as embalagens precisam conter textos legíveis, de forma que não possam ser alterados ou apagados. Além disso, é necessário que contenham informações como:

  • Identificação, com nome e endereço do expedidor;
  • Natureza do produto, caso o conteúdo não seja visível quando embalado;
  • Características comerciais;
  • Marca oficial de controle, como o CGC/MAPA – facultativo.

Atenção: evite usar nas embalagens as expressões “Grown by”, “Packed by”, que são impróprias/inadequadas, como explica o governo brasileiro.

Documentos

Para completar, além de atender às exigências legais referentes a qualidade fitossanitária da exportação de frutas para a Europa, os produtores devem se atentar a outros documentos.

Já listamos aqui os principais neste conteúdo completo do blog sobre documentos para exportação de frutas, mas é importante dar atenção ao:

  • Cadastro no Decex;
  • Fatura Comercial;
  • Packing List (Romaneio);
  • Certificado de origem, peso, qualidade, conformidade e fitossanitário;
  • Registro de exportação.

Cuidados na logística internacional

A qualidade da logística internacional reflete diretamente na forma como o produto final chegará às prateleiras. Afinal, estamos falando de cargas delicadas e altamente perecíveis, que exigem cuidados especiais para atender o exigente mercado europeu.

Como o envio de frutas para a Europa envolve um transit time mais longo – entre um mês, desde a colheita ao transporte para o exterior – priorize contêineres com genset instalado ao escolher o modal marítimo.

Vale observar que, no caso da exportação de manga e limão, por exemplo, a colheita costuma ser realizada uma semana antes do embarque. Logo, o genset é utilizado no transporte terrestre.

Portanto, a temperatura é mantida desde o carregamento da fruta na fazenda, até a entrega do contêiner cheio no porto de embarque. Sendo assim, quando o contêiner refrigerado chega ao porto, se mantém plugado na energia até o momento do embarque no navio.

Este cuidado no set point do contêiner refrigerado é importante quando tratamos das frutas para exportação, pois influencia na qualidade do embarque.

No modal aéreo, certifique-se sobre as condições de climatização necessárias para cada produção no percurso. Pois algumas frutas exigem temperaturas mais frias, já outras, podem ser danificadas nestas condições.

Na DC Logistics Brasil, nossa experiência de 27 anos de atuação em logística internacional nos permite atender cada uma das necessidades dos produtores de frutas ao exportar para a Europa e muitos outros mercados.

Logo, nossas soluções refletem em um transporte eficiente e dentro do prazo. Além disso, possibilitam o melhor transit time e custo-benefício, mesmo durante cenários adversos como os da pandemia. Quer saber mais? Então solicite seu orçamento sem compromisso!

Além disso, temos um infográfico gratuito e exclusivo. Portanto, para você se atualizar sobre as principais oportunidades desta commodity, faça o download!

Infográfico Exportação de Frutas

 

FONTES:

MAPA – https://abrafrutas.org/wp-content/uploads/2019/07/panorama-frutas-secretaria-de-comercio-e-relacoes-internacionais.pdf e https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/inspecao/produtos-vegetal/registro/cgc_mapa/exportadores/arquivos-cgc-frutas/Rotulagem_UE

HF Brasil – https://www.hfbrasil.org.br/br/revista/acessar/capa/mercado-de-fruta-na-uniao-europeia.aspx

Abrafrutas – https://abrafrutas.org/2021/02/exportacao-de-frutas-do-brasil-recua-ate-40-com-limitacao-de-logistica-aerea/

ApexBrasil – http://www.apexbrasil.com.br/Content/imagens/ce0f015c-418f-4eed-acb7-990c58f0c550.pdf

Enegep – http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2009_TN_STP_092_624_14067.pdf

FaxComex – https://www.fazcomex.com.br/blog/acordo-mercosul-e-ue/

Citrus BR – http://www.citrusbr.com/mercadoexterno/?me=03

DC Logistics Brasil – https://dclogisticsbrasil.com/exportacao-de-frutas-documentos-necessarios/

Compartilhe nas Redes Sociais

Facebook
Twitter
LinkedIn

Assine a nossa Newsletter

Notícias Mais Lidas

Categorias

Conheça nossos e-books

Pular para o conteúdo