O Brasil segue sendo o segundo maior exportador de algodão do mundo

O otimismo para o ano de 2024 é uma realidade para os produtores e exportadores de algodão em todo o Brasil.

As previsões da Associação Brasileira de Produtores de Algodão (Abrapa) apontava para uma queda na produção e exportação desse produto no ano de 2023, em função das seguintes situações:

  • condições climáticas adversas,
  • conflitos Rússia/Ucrânia e Israel/Palestina,
  • instabilidade nos mercados internacionais,
  • aumento da inflação e das taxas de juros em todo o mundo.

O resultado previsto ocorreu quando se observou uma queda de 10% se comparado ao ano de 2022, no entanto, mesmo diante dessa situação, o Brasil conseguiu a segunda posição no ranking de exportação desse produto no mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos.

As exportações atingiram o volume de 1,618 milhão de toneladas, alcançando uma receita de US$ 3,07 bilhões.

Apresentaremos, na sequência, detalhes a esse respeito, as particularidades do algodão brasileiro e as perspectivas da safra de 2024. Vale a pena conhecer!

O algodão brasileiro em destaque internacional

Como vimos, o Brasil continua ocupando a segunda posição na exportação de algodão, uma meta privilegiada e que poderá ser modificada ao final deste ano.

Segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção desse produto no Brasil, na safra 2023/24, excederá pela primeira vez a dos EUA.

Além disso, as informações da USDA apontam também que nosso país superará as exportações norte-americanas, um fato que não acontece desde o século XIX.

Outro dado interessante apresentado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) informa que a produção brasileira de algodão para a atual safra deverá alcançar 14,6 milhões de fardos.

Por fim, é importante saber que as exportações brasileiras nesse segmento tem como principais clientes os seguintes países:

  • China, 
  • Vietnã,
  • Indonésia,
  • Bangladesh,
  • Turquia.

O cultivo de algodão e as particularidades da fibra brasileira

Os principais estados brasileiros no cultivo de algodão são Mato Grosso e Bahia.

Contribuindo para o alcance de bons resultados, o Programa de Qualidade do Algodão Brasileiro (PQAB) foi iniciado no ano de 2022 pela Abrapa, contando com a auditoria do Ministério da Agricultura e Pecuária.

Esse programa garante a confiabilidade nas informações dos parâmetros de qualidade das fibras exportadas, certificando os resultados aferidos por laboratórios, uma ação muito bem recebida pelos países importadores e que tende a aumentar os negócios internacionais.

Além disso, nosso país produz o algodão colorido, ou seja, culturas que surgem a partir do cruzamento desse produto com fibras de outras plantas naturalmente coloridas.

Essa ação possibilita que nossos produtos sejam oferecidos ao mundo em 6 cores, indo do marrom-claro ao tom avermelhado, existindo ainda uma opção que apresenta a matiz na cor verde.

Como resultado, fica dispensado o processo de tingimento nas empresas importadoras, contribuindo com uma redução significativa do consumo de água, ou seja, nossos itens são sustentáveis.

Perspectivas em torno da safra de 2024

Como vimos anteriormente, tudo indica que o Brasil assuma a liderança mundial na produção e exportação do algodão em 2024, porém, todo o cuidado precisa ser tomado em função das chuvas e alta umidade que ameaçam a lavoura.

Os processos de armazenamento precisam estar adequados para garantir a qualidade e o valor comercial do produto, portanto, torna-se imprescindível cuidados especiais logo após a colheita, quando locais secos, limpos e bem ventilados precisam estar à disposição para a estocagem.

Outro ponto que colabora para a quebra de recordes na temporada diz respeito ao aumento das áreas cultivadas que cresceram 15,4% em comparação com o ciclo anterior, portanto, tudo indica excelentes resultados nesse segmento.

Como se observa, o momento é dos mais propícios e as oportunidades efetivamente existem para aqueles que desejam exportar.

Sua empresa tem interesse em aproveitar esse bom período que vivemos? Vale a pena ler também nosso post que apresenta os documentos da exportação – Saiba o que é essencial!

Compartilhe nas Redes Sociais

Facebook
Twitter
LinkedIn

Notícias Mais Lidas

Categorias

Assine a nossa Newsletter

Conheça nossos e-books

Pular para o conteúdo