Posts

Confira 9 dúvidas comuns relacionadas ao pré-embarque de cargas!

Confira 9 dúvidas comuns relacionadas ao pré-embarque de cargas!

O processo de pré-embarque é uma das fases mais importantes no transporte de cargas. Para que ele aconteça da forma mais assertiva possível, precisa ser realizado um amplo planejamento.

Esse planejamento deve considerar desde a condução logística, preparação da documentação, inspeção do carregamento e claro, o devido cumprimento de prazos (famosos deadlines de carga).

Basicamente, é no pré-embarque onde acontece a maior parte dos procedimentos para a exportação de cargas, ou seja, é fundamental que sua execução seja feita com êxito, do contrário, em casos mais graves, pode custar o cancelamento do embarque.

Quer saber mais como funciona o pré-embarque de cargas? Separamos as 9 dúvidas mais comuns sobre esse processo. Continue a leitura para conferir!

1. O que é o pré-embarque de cargas?

Como o próprio nome sugere, pré-embarque é a etapa que vem antes da exportação. Sendo assim, ao realizar as atividades de acordo com as normas e legislação vigente, este processo ajuda a prevenir gastos desnecessários e retrabalho para a empresa.

Deste modo, organizações que se aventuram no comércio exterior, precisam ficar atentas a todas as conformidades da realização de um pré-embarque bem feito.

Para visualizar melhor do que se trata essa etapa no processo de exportação, considere o seguinte exemplo no segmento de transporte marítimo: o pré-embarque é responsável por ditar como irá ocorrer toda a exportação. 

É nele que é feita a retirada do equipamento vazio, preparação de toda a documentação comercial e de frete. Ainda, é onde acontece o desembaraço aduaneiro e são resolvidas todas as questões de recebimento da carga ao seu destino.

2. Quem é o responsável por fazer o pré-embarque?

Negócios que precisam realizar tais processos, costumam ter parcerias com operadores logísticos. Nesse caso, vale considerar profissionais com experiência e expertise na área.

Já dentro da empresa, quem acompanha os processos de transporte junto ao agente de cargas, geralmente é uma pessoa no cargo de analista de exportação ou gerente de logística. 

Ele será responsável por gerenciar as tarefas, delegar obrigações e cobrar os resultados de todos os prestadores de serviços que estejam envolvidos – seja interna ou externamente.

3. O que significa Deadline de cargas?

Toda esta etapa do embarque é realizada com prazos, ou seja, deadlines. Logo, o operador logístico e seus parceiros devem contar com datas para cumprir sua programação e seus manifestos presentes no regulamento aduaneiro.

Para você que tem dúvidas sobre o que é deadline, trata-se do prazo em que o pré-embarque precisa ocorrer, o tempo máximo que tal operação pode levar – as datas e horários a serem cumpridos. Termo comumente usado no ramo logístico, e de suma importância para a desenvoltura do transporte.

4. Pré-embarque e logística é a mesma coisa?

Pré-embarque e logística é a mesma coisa?

Em termos simples, pode-se dizer que sim. No entanto, o mais correto é entender o pré-embarque como uma fase do processo de logística. Uma das mais fundamentais, como já enfatizado anteriormente, mas não a única. 

Contudo, se existirem erros no momento de pré-embarque, eles podem custar caríssimo quando detectados com a carga já em trânsito e assim prejudicar todo o decorrer do processo logístico. Por isso, é muito importante realizar esta etapa com o máximo de eficiência.

5. O que é ovação do contêiner?

Ter sob controle as questões de data e local de ovação do contêiner também são fundamentais para toda a desenvoltura do embarque. 

Mas o que é a ovação do contêiner? De forma simplificada, é o procedimento de acomodar a mercadoria dentro do contêiner para o transporte até o destino, com medidas de segurança e otimização de espaço.

A ovação do contêiner deve ser feita de forma totalmente adequada e bem organizada, por meio de máquinas e equipamentos específicos, de modo a reduzir a chance de a carga ser depreciada.

6. Por que é tão importante realizar um pré-embarque com eficácia?

Vale ressaltar que o pré-embarque é uma das etapas mais importantes do processo logístico. Logo, ao fazer corretamente essa fase do processo, tem-se a garantia de um transporte tranquilo da mercadoria, com taxas de risco baixas.

Assim, a empresa consegue evitar transtornos e gastos excessivos com a possível correção de falhas ou mesmo pagamento de multas.

7. Quais os documentos necessários para o pré-embarque?

Para fazer o pré-embarque de exportação, são necessários alguns documentos específicos. Tais documentos são precisos para garantir tanto a circulação de mercadorias no país de origem, quanto para o embarque ao exterior. Confira abaixo:

  • Romaneio de embarque: que em termos simples, é o documento que faz a discriminação das mercadorias embarcadas;
  • Nota fiscal;
  • Registro de exportação;
  • Certificados adicionais;
  • Conhecimento de embarque.

8. Documentação errada, e agora?

Saiba que quando ocorre a emissão errada dos documentos, isso é um problema nada agradável.

A documentação correta no pré-embarque é muito importante. Uma vez que documentos errados podem ser motivo para uma série de prejuízos.

Dentre algumas consequências da documentação errada, estão atrasos na entrega de mercadorias e penalizações legais, como multas e outros problemas no despacho aduaneiro. 

O ideal é que você ou o operador logístico faça checagens minuciosas para garantir que a documentação esteja em ordem antes de encaminhar a mercadoria para o embarque.

9. Qual a responsabilidade do gestor de comércio exterior no pré-embarque?

Analista de exportação ou gestor de comércio exterior, estes são os cargos mais comuns considerados para estarem à frente do controle de embarque de mercadorias. 

Ou seja, este responsável precisa saber todos os detalhes da etapa de pré-embarque, mas também ter a liderança necessária para delegar as respectivas tarefas aos envolvidos no processo.

Ter um follow-up regular junto ao agente de cargas é essencial para ter maior controle sobre as etapas e assim tomar decisões ágeis caso aconteçam imprevistos.

E então?

Neste conteúdo apresentamos 9 dúvidas comuns que profissionais de Comex têm em relação ao pré-embarque. 

Uma parceria eficaz e de qualidade na logística é primordial para que não só a operação de pré-embarque, mas as demais sejam realizadas de acordo com as normas e regulações do Comércio Exterior sem prejudicar o transporte da sua mercadoria!

Nesse sentido, caso você precise de ajuda para efetuar a logística da sua carga com segurança, eficiência e qualidade em todas as fases, clique abaixo, entre em contato conosco e solicite uma cotação de frete!

Solicitar cotação de operação aérea

Entenda a importância do follow-up regular para a qualidade da sua logística!

No setor logístico existe uma busca contínua para aumentar a eficiência e qualidade das entregas, alinhado à redução de custos. No entanto, esse objetivo só é possível de ser atingido de forma eficaz se houver além de um planejamento consistente, um follow-up assertivo e diligente.

O follow-up nada mais é do que o acompanhamento da carga. Uma gestão bem elaborada sobre a movimentação das mercadorias pode gerar muitas vantagens para todo o processo de transporte, resultando em aumento da eficiência na logística.

E é sobre isso que vamos tratar neste conteúdo. Continue acompanhando para entender como um follow-up bem feito é fundamental para otimizar as atividades da empresa e qual é a sua importância no controle de qualidade do transporte!

O que é follow-up?

Antes de mais nada, é importante que você tenha bem claro o que é o follow-up. Também conhecido como FUP, trata-se de uma estratégia de organização e acompanhamento de tarefas.

A expressão follow-up vem do inglês e quer dizer acompanhar ou fazer o acompanhamento. E, de forma geral, uma técnica de acompanhamento bem-feita é aquela que considera fatores como itens a serem checados, intervalo de checagem, suporte e recorrência.

A seguir você vai entender como isso se encaixa, como ele pode auxiliar o setor de logística e ainda como ele pode aprimorar outros processos da organização.

Por que fazer o follow-up regular de cargas?

É fato que os custos com transporte representam uma fatia do financeiro da empresa. Logo, entende-se que o follow-up é um processo fundamental, pois tem impacto direto no valor do produto final e na lucratividade do negócio.

Além disso, fazer o acompanhamento de carga é fundamental para passar respostas rápidas aos clientes. Isso porque, eles estão cada vez mais exigentes com o fator velocidade na entrega, seguido de baixo custo e comunicação rápida e efetiva.

Nesse sentido, com um bom desempenho logístico através do follow-up regular se torna mais fácil e assertivo passar aos seus superiores informações atualizadas da movimentação da carga. Afinal de contas, esta é uma forma de analisar se o planejamento está sendo seguido e gerando os resultados esperados.

Principais ferramentas para fazer follow-up de cargas

É essencial que operadores logísticos que atuam em parceria com a sua empresa possuam um sistema eficaz de acompanhamento e rastreio, um follow-up proativo está diretamente ligado a ferramentas de acompanhamento de cargas otimizadas.

Dentre as principais tecnologias encontram-se:

  • GPS: Com ele é possível localizar o veículo e acompanhá-lo em tempo real, além de que disponibiliza vários outros dados relevantes;
  • Radiofrequência: Permite o acompanhamento até mesmo em túneis e subsolos, que não são afetados pelos inibidores de sinais;
  • Telemetria: Com um processo feito por meio de sensores, essa ferramenta conta com várias informações sobre a performance do veículo;
  • Além dessas formas de realizar follow-up, ainda é possível por meio de câmeras, smartphones, SAC e aplicativos.

Benefícios de fazer o acompanhamento das cargas

Benefícios de fazer o acompanhamento das cargas

Muito além dos cuidados com embalagens que são necessários para um transporte de qualidade, o acompanhamento da carga é um fator indispensável para o sucesso da operação. Confira alguns benefícios do follow-up:

Maior assertividade nas rotas

Por meio do histórico de dados é possível identificar acertos e imprevistos nas entregas. Logo, essas informações são úteis para otimizar o processo de roteirização. Para esse aprimoramento, é preciso ficar atento a alguns fatores como:

  • Clientes que mais demoram para descarregar;
  • Horários com maior tráfego;
  • Rotas alternativas.

Identificar atrasos

Com um sistema de acompanhamento em tempo real, torna-se bem mais fácil identificar qualquer fator que possa comprometer o prazo da entrega.

Dentre alguns problemas que podem acontecer, estão protestos e problemas no veículo, por exemplo. Entretanto, estes fatores dependem também de qual modal de transporte está sendo utilizado.

Analisar desempenho do veículo e condutor

Realizar a gestão regular do veículo e do condutor de forma manual é um processo complexo e com grande probabilidade de erro.

No entanto, ao usar um sistema de solução por follow-up, é possível obter alguns dados, como a velocidade percorrida e se frenagens bruscas foram realizadas, por exemplo.

Existem sistemas que acompanham a situação de cada veículo e recomendam o momento ideal para fazer as devidas manutenções.

Banco de dados útil

Com todas essas informações coletadas, forma-se um banco de dados que será muito útil para lidar com as atividades da empresa e claro, vai contribuir imensamente para a qualidade da logística.

Esse panorama criado por meio de follow-up regular vai ajudá-lo a ter uma visão macro e realizar o controle de indicadores de desempenho logístico, bem como repasse de informações mais assertivo.

E então?

Com este conteúdo, esperamos ter ajudado você a compreender melhor como um follow-up regular é fundamental para ter maior segurança e tranquilidade para lidar com várias questões do setor logístico.

Como responsável por este setor você terá mais propriedade sobre as informações atualizadas do transporte da carga para passar aos seus superiores.

Nesse sentido, a melhoria contínua deve ser um objetivo central nos processos da empresa. Isso só é possível quando é feita uma análise relevante de dados sobre o que funciona e o que não funciona. Logo, o follow-up é uma das estratégias mais eficazes para quem busca por evolução e qualidade no setor de transporte.

Se você ficou com alguma dúvida sobre o assunto, entre em contato conosco! Agora, se você quer contar com um follow-up regular e eficiente durante o transporte das suas mercadorias, clique abaixo e solicite uma cotação de frete!

Solicitar cotação de operação aérea

Contêiner: conheça a história e os benefícios de usá-lo na sua logística!

Você consegue imaginar como era a logística antes do uso de contêiner? A necessidade de armazenamento é algo que sempre existiu, mas nem sempre esse recurso esteve disponível, principalmente se levarmos em consideração que as navegações para o transporte de produtos remetem à antiguidade. 

Antes do contêiner, o transporte era feito sem muita organização e padronização. Sem contar no armazenamento, em que os armazéns não ofereciam toda a segurança que diversos produtos exigem.

A maneira mais segura existente para transportar cargas veio para mudar essa realidade. Eles são mais fáceis de transferir, evitam acidentes e reduzem prejuízos comuns à logística. Saiba mais sobre os contêineres a seguir!

Confira uma breve história do uso de contêiner

Com a revolução industrial, a necessidade de pensar melhores soluções para armazenar e transportar cargas se tornou urgente. Foi só a partir de 1955 que a solução conhecida como contêiner viria a ser moldada, transformando para sempre a história.

Foi o empresário americano Malcom McLean, nascido na Carolina do Norte, que trouxe esse novo conceito para o mundo. McLean se dedicava ao ramo de transportes rodoviários e uma experiência que lhe deu o importante insight para a sua nova ideia.

Durante uma entrega para um cliente, Malcom acompanhou a forma como eram feitos os carregamentos e descarregamentos. O processo era totalmente braçal e envolvia o esforço de muitas pessoas – o que era pouco produtivo e de alto custo.

Quanto mais tempo os produtos ficavam parados, menos dinheiro os empresários faziam.

Ele precisava de uma solução para esse problema e começou a testar formatos do que viria a ser o contêiner, procurando um resultado mais resistente, padronizado, empilhável e fácil de carregar.

Em 1968 os formatos dos contêineres passaram por transformações, chegando muito mais próximo dos conhecidos hoje em dia.

Especialistas colocam o contêiner como uma das invenções que mais impulsionaram o processo de globalização nos últimos 60 anos.

Para se ter uma ideia, em uma matéria sobre o tema no Diário do Comércio, o advento do contêiner é comparado à reinvenção da roda! Muitos dos contêineres construídos há mais de 60 anos, inclusive, ainda estão em condição de uso.

Isso só mostra que, além das facilidades oferecidas pelo contêiner, ele ainda tem uma vida longa, podendo facilmente passar de 120 anos.

Saiba mais sobre os contêineres marítimos

Saiba mais sobre os contêineres marítimos

É impossível falar em contêiner sem tratar dos contêineres marítimos. Eles são compostos por materiais de alta resistência e viajam o mundo inteiro em navios gigantes.

O cargueiro chamado de Emma Maersk, por exemplo, tem capacidade para transportar cerca de 15 mil contêineres de uma vez só.

Para compreender sua relevância, pense que, sozinho, o Emma Maersk substitui o trabalho de 17 mil caminhões carregados, de acordo com uma matéria especial do site Transporta Brasil!

É fácil entender porque todo o comércio marítimo mundial depende de navios cargueiros como esse, que levam todo tipo de mercadoria, que vão desde produtos de menor valor até cargas valiosíssimas.

Além da alta capacidade e durabilidade, a segurança é um dos principais fatores que tornam esse recurso tão popular. É muito raro que um contêiner marítimo seja furtado ou danificado.

Outra grande questão é a sustentabilidade. Por ter uma vida útil longa, recursos descartáveis deixam de ser utilizados, como grandes embalagens plásticas ou construções tradicionais de alvenaria.

Entenda os benefícios da utilização do contêiner

O contêiner é fonte de inúmeros benefícios logísticos. Antes de compreendê-los, é preciso, porém, diferenciar os dois principais modelos utilizados no mercado mundial:

  • Tamanho TEU, do inglês Twenty Feet Equivalent Unit, como o próprio nome sugere, é uma “unidade equivalente a 20 pés”. Esse é o formato mais utilizado, principalmente na hora de transportar cargas pesadas e de menor valor agregado
  • Tamanho FEU, do inglês Forty Feet Equivalent Unit, ou “unidade equivalente a 40 pés”. Diferente do TEU, esse modelo é mais utilizado para cargas volumosas e de maior valor.

Garanta mais segurança

O contêiner é uma das formas mais seguras para transportar cargas. Isso se dá pela sua própria estrutura.

Construído a partir de material resistente, o contêiner é feito para garantir a segurança e a inviolabilidade sem perder a agilidade do transporte marítimo.

Sem contar no dispositivo de segurança aduaneira que, atendendo às condições técnicas e de segurança previstas pela legislação nacional e convenções internacionais, traz mais tranquilidade para quem transporta cargas.

Isso faz com que o contêiner seja mais do que uma simples embalagem. Pelo contrário: ele é considerado um equipamento transportador. Isso significa que o contêiner recebe diversas vantagens e favores fiscais em consequência disso.

Reduza custos

Reduza custos

Desde sua criação, a redução de custos esteve entre suas características mais marcantes.

O custo logístico é menor, uma vez que os contêineres são transferidos de forma mais rápida para diferentes modais de transporte, sem a necessidade de descarregar a carga.

Ele exige menos mão de obra, menos gente precisando trocar a carga de veículo a cada parada, como era antigamente.

Proteja a mercadoria

Principalmente quando a mercadoria é de alto valor, muitas vezes surge o medo de danificar a mesma. O contêiner também ajuda nesse ponto, evitando acidentes e prejuízos comuns a certos manuseios diretos de alguns produtos.

Como o processo de transporte não precisa de tantas etapas, fica mais fácil evitar acidentes.

A mercadoria também é acondicionada, permitindo carregamento e descarregamento de veículos sob condições climáticas adversas. Materiais sensíveis a picos de temperatura também tem uma melhor proteção neste caso.

Tenha mais organização e melhore a logística

É muito fácil se perder quando o transporte de carga depende da troca de modais e manuseio direto de produtos. A facilidade que o contêiner traz também reflete em maior organização na hora de fazer a logística.

Além disso, a agilidade é um ponto crucial, que permite um aumento da rotatividade e, consequentemente, melhor otimização do tempo.

Você já conhecia a história do contêiner? Se ficou com alguma dúvida sobre o assunto ou tem interesse em fazer uma cotação de frete marítimo, entre em contato conosco e saiba como podemos ajudá-lo!

Solicite uma cotação

Logística de cargas perigosas: 5 questões que você deve ficar atento!

Logística de cargas perigosas: 5 questões que você deve ficar atento!

Qualquer operação de transporte exige cuidados especiais, mas quando tratamos sobre cargas perigosas, as precauções precisam ser redobradas para não oferecer riscos às pessoas, aos equipamentos e ao meio ambiente!

Descubra, a seguir, o que caracteriza uma carga perigosa, quais são os principais cuidados que devem ser adotados durante o seu transporte e o que pode ocorrer caso eles sejam negligenciados. Continue a leitura!

Quando uma carga pode ser considerada perigosa?

São consideradas cargas perigosas todas aquelas que podem ser nocivas ao meio ambiente, à população e aos seus bens, bem como à segurança pública.

De acordo com a Resolução 5.232/16, mais de 3 mil itens são considerados perigosos, tendo em comum suas características de origem biológica, química ou radiológica.

Podemos classificar as cargas perigosas em 9 categorias, sendo elas:

  • Gases, que se dispersam no ar com facilidade e, na maioria das vezes, não têm cheiro e nem cor, como a amônia, o cloro ou mesmo o gás de cozinha
  • Sólidos inflamáveis, como o enxofre, que se inflama sob atrito ou em contato com chamas
  • Líquidos inflamáveis, que incluem combustíveis comuns como o óleo diesel ou a gasolina, que entram em combustão sob altas temperaturas
  • Materiais radioativos, geralmente utilizados nas áreas hospitalares e industriais, que exigem o uso de contêineres blindados para que a radioatividade não se espalhe
  • Substâncias infectantes ou tóxicas, como os pesticidas, por exemplo, que são produtos químicos capazes de provocar danos significativos à saúde
  • Peróxidos orgânicos e substâncias oxidantes, que podem causar incêndios por peróxido de hidrogênio ao liberar oxigênio
  • Materiais explosivos, como pólvora ou nitroglicerina, que são capazes de gerar altas quantidades de gases e de calor
  • Substâncias corrosivas, como a soda cáustica ou o ácido sulfúrico, que causam queimaduras quando em contato com a pele, tanto em seu estado líquido, quanto sólido
  • Itens e substâncias perigosas em geral, que incluem as cargas perigosas que não se adéquam às classificações citadas até aqui. O exemplo mais comum é o das baterias de lítio.

Descubra, no próximo item, quais os cuidados em comum que todas essas categorias exigem durante o seu transporte.

Quais os principais cuidados que devem ser adotados no transporte de cargas perigosas?

Para garantir que as cargas perigosas não ofereçam riscos ao condutor, às pessoas e ao ambiente, alguns cuidados fundamentais precisam ser adotados. Confira os principais deles:

1 Uso dos EPIs necessários

Os Equipamentos de Proteção Individual são imprescindíveis para o condutor da carga e para todos os profissionais que irão manipulá-la.

Existem EPIs específicos para cada tipo de material transportado, que devem ser utilizados tanto durante o transporte, quanto no manuseio do material.

Seu uso evita danos maiores em eventuais casos de acidente e ainda evita a aplicação de multas.

2 Utilização das embalagens corretas

As cargas perigosas contam com tipos próprios de embalagens homologadas para o seu armazenamento de transporte, de acordo com a natureza do produto.

Entre as características gerais das embalagens, estão questões como:

  • Identificação clara das características do item transportado
  • Respectivos símbolos, marcações e alertas quanto aos riscos que oferece
  • Cor e volume que as destaquem, evitando manuseios equivocados
  • Confecção em materiais resistentes e duradouros, adequados para as peculiaridades do item em questão
  • Perfeito estado de conservação.

Além desses requisitos, existem também particularidades que devem ser observadas de acordo com os tipos de cargas perigosas manuseadas.

Durante o transporte de combustíveis, por exemplo, é preciso que sejam utilizados tanques próprios, capazes de evitar oscilações de temperatura para que não ocorra combustão acidental.

Já no caso dos gases, é preciso que sua contenção os mantenham comprimidos em estado gasoso, para que não ocorram vazamentos. Há ainda a questão dos materiais radioativos, que precisam de invólucros com isolamento completo contra a radiação.

3 Sinalização correta

Sinalização correta de carga perigosa

De modo a facilitar a identificação dos itens transportados em casos de situações adversas, como acidentes ou vazamentos, alguns tipos de sinalizações são obrigatórios.

Nas cargas perigosas é preciso constar o rótulo de risco, o número ONU e painel de segurança.

Isso facilita eventuais operações de limpeza na pista ou mesmo situações de resgate, que podem imediatamente ser estabelecidas de acordo com os padrões de segurança do produto identificado.

4 Limitação de circulação junto aos órgãos competentes

Para minimizar ao máximo a exposição aos riscos das cargas perigosas, os pontos de circulação dos veículos de transporte podem ser limitados, principalmente em áreas com reservatórios de água, alta densidade populacional ou de proteção ambiental.

É papel do expedidor avisar aos órgãos de fiscalização qual será a rota em que a carga passará, bem como suas áreas de estacionamento, carga e descarga.

Em algumas cidades e estados, existem também leis específicas para esse tipo de questão, que restringem a circulação de itens que ofereçam perigo aos transeuntes. Por isso, é sempre interessante informar a rota estabelecida aos órgãos competentes.

5 Riscos potenciais e disposições mediante reação

Existe um documento chamado Material Safety Data Sheet (MSDS), o qual deve conter informações sobre os riscos que esse tipo de carga apresenta, como manuseá-la adequadamente e ainda quais medidas tomar caso esta carga reaja.

6 Vete qualquer tipo de carga extra

Também é proibido por lei que qualquer veículo que esteja transportando cargas perigosas utilize eventuais espaços extras para movimentar outros tipos de itens, como alimentos, remédios ou qualquer produto de consumo humano, ou animal.

Outro ponto que é vetado é o transporte de pessoas ou animais com esse tipo de carga, a não ser o próprio condutor e eventuais auxiliares.

O que pode acontecer caso essas precauções não sejam adotadas?

O objetivo dos cuidados mencionados nos itens anteriores é assegurar que os riscos oferecidos ao meio ambiente e às comunidades sejam os mínimos possíveis durante o transporte de cargas perigosas.

Quando essas precauções são negligenciadas, ou mesmo quando eventuais acidentes na estrada comprometem sua integridade, uma série de problemas pode ocorrer.

No caso de cargas inflamáveis, o risco mais urgente é de explosões e incêndios, que podem se tornar extremamente graves caso a estrada conte com grande movimentação.

Em casos de químicos não inflamáveis, a simples inalação pode causar a intoxicação de pessoas, que pode ser agravada caso ocorra absorção cutânea ou mesmo a ingestão.

Há também o fator ambiental, em que ecossistemas podem ter sua flora e fauna comprometidas quando as substâncias contaminam reservatórios de água, solo ou mesmo plantações.

E então?

Você viu que falamos sobre quando uma carga é considerada perigosa, quais cuidados devem ser tomados durante o transporte e ainda, o que pode ocorrer caso essas precauções não sejam adotadas.

São muitos detalhes que precisam ser vistos, concorda? Por isso conte com o auxílio de um agente de carga para atender as exigências requeridas.

Com parceiros qualificados e experiência na logística de cargas perigosas, nós da DC Logistics Brasil podemos auxiliar em todas as etapas para que o transporte deste tipo de mercadoria seja efetuado com qualidade e eficiência da origem até o destino.

Se você ficou com alguma dúvida sobre o assunto, entre em contato conosco! Se desejar, clique abaixo e solicite uma cotação de frete sem compromisso!

Solicite uma cotação

Importação direta e indireta

Importação direta e indireta: saiba a diferença e as vantagens de cada uma!

Optar pela importação direta ou indireta é uma importante escolha para as empresas que precisam lidar com o comércio internacional.

Enquanto a primeira é operacionalizada pela própria organização, a segunda conta com o apoio de um agente de carga, especializado nesse tipo de logística.

É fato que não existe uma resposta certa sobre qual é a melhor escolha: tudo depende do perfil de cada negócio e das vantagens oferecidas pelo eventual agente!

A seguir, saiba mais sobre cada tipo de importação e entenda as suas principais vantagens e desvantagens. Continue a leitura!

Como é feita a importação direta?

Qualquer empresa pode realizar a importação direta, entretanto isso exige preparo, conhecimento na área e a habilitação junto à Receita Federal.

Além de habilitar o radar de importação sob os critérios da lei, você deve desenvolver estudos sobre os produtos e fornecedores pretendidos para as suas operações comerciais.

Após essa etapa, é dado início à etapa de contato e negociações junto aos fornecedores previamente selecionados. É após o apagamento que o gerenciamento do embarque feito por você é iniciado.

Quais são as suas principais vantagens?

Em poucas palavras, ao optar pela importação direta, sua empresa garante mais flexibilidade para seus processos logísticos e agrega controle integral sobre eles. Isso não dependendo de terceiros para operacionalizar o transporte das suas mercadorias.

Apesar de interessantes, porém, esses benefícios são acompanhados de algumas demandas e até mesmo contrapartidas que precisam ser consideradas.

Quais as desvantagens da importação direta?

Para que todos os benefícios mencionados no item anterior sejam possíveis, é necessário levar em consideração uma série de fatores organizacionais que precisam ser otimizados e estar em pleno alinhamento para as demandas de importação.

Isso inclui o investimento em uma estrutura completa focada no time de importações, que deve ser devidamente equipado e qualificado para atender às exigências legais e de mercado que envolvem essa complexa atividade.

Além disso, a falta de experiência em importações pode dificultar a vida das empresas que estão começando nessa área.

Problemas de negociação com estrangeiros e falta de conhecimento sobre os mercados de fornecimento são alguns dos problemas mais comuns nesse sentido. Falta de familiaridade com procedimentos, legislação e custos são outros empecilhos.

Para driblar esse tipo de situação muitos negócios apostam na contratação de operadores logísticos especializados em importações. Saiba mais sobre esse tipo de negócio no próximo item.

O que é importação indireta?

o que é a importação indireta

Conforme mencionamos logo no início do artigo, a importação indireta é aquela que tem toda a sua operação feita por meio de uma empresa intermediária, que conta com a experiência e qualificação necessária para o processo.

Sua adesão geralmente é feita por conta das facilidades e da segurança que oferece aos importadores e exportadores, mas também existem casos em que o operador logístico possui exclusividade sob as operações de determinado produto.

Basicamente, nessa modalidade, todo o processo logístico é feito pelo agente em questão. Isso inclui desde os tramites para autorização junto à Receita Federal, até a finalização da coordenação de embarque.

Por que a importação indireta é vantajosa?

O benefício mais marcante ao optar por um agente de carga que realiza importações indiretas é a praticidade agregada nesse tipo de serviço. Isso porque, os especialistas na área conhecem todas as suas nuances e o realizam de maneira muito mais veloz.

Isso também acrescenta mais segurança e economia, já que eventuais erros e repetições são evitados durante os processos.

Como se não bastasse, por seu contato constante com representantes do mercado internacional, o poder de barganha aumenta junto aos fornecedores. Isso muito também por conta dos conhecimentos específicos sobre o mercado em questão.

Basicamente, as vantagens da importação indireta representam o inverso dos argumentos apresentados no item sobre as desvantagens da importação direta!

Isso quer dizer que o operador logístico contratado garante mais facilidade de comunicação com os agentes externos, maior conhecimento sobre os processos burocráticos, além de melhor capacidade de negociação.

Claro que, como em qualquer negócio, essa modalidade também pode trazer alguns pontos negativos. Descubra os principais deles no próximo item.

Quando não optar pela importação indireta?

Por mais benéfica e segura que seja a importação indireta, ela exige que você abra mão do contato direto com os fornecedores escolhidos, o que torna as parcerias mais impessoais.

Ao perder o controle integral das suas operações logísticas relacionadas à importação, os negócios muitas vezes também perdem flexibilidade nesse sentido, já que passam a depender dos prazos e parâmetros dos agentes de carga.

Apesar disso, com parceiros comprometidos e alinhados às demandas do seu negócio, é possível driblar essas questões! Saiba, no item seguinte, como optar pelo agente de carga ideal para as importações da sua empresa.

Como optar pelo operador logístico ideal para as importações da sua empresa?

Todas as intermediações feitas por operadores são submetidas à regulamentação da Receita Federal por meio dos regimes de importação por encomenda e importação por conta e ordem.

A primeira questão para observar no agente de carga escolhido é o alinhamento aos requisitos legais impostos por essas modalidades. Outro ponto indispensável é verificar a experiência dele no segmento, bem como, a qualificação e relação com outros clientes.

No mercado desde 1994, a DC Logistics Brasil se destaca no gerenciamento logístico de transportes internacionais, já que conta com uma rede completa de parceiros qualificados e tem foco total nas necessidades dos clientes!

Ela também mantém um constante processo de qualificação da equipe e realiza o aprimoramento dos processos, reafirmando sua posição de referência no setor.

E você, gostou de saber mais sobre os detalhes da importação direta e indireta? Se ficou com alguma dúvida sobre o assunto, entre em contato conosco!

Se desejar, faça o download gratuito do nosso Guia passo a passo de realização da operação de importação!

Download Guia Passo a passo para a realização da operação de importação

Container NOR – entenda mais sobre ele e suas vantagens

O Container NOR, sigla do inglês para “Non-Operating Reefer” ou simplesmente Container Refrigerado Desligado, ainda é um tabu para muitos importadores brasileiros, seja por falta de conhecimento ou por medo dos riscos envolvidos em utilizar esse tipo de container.

Porém, utilizar um container NOR para a importação de carga seca pode trazer benefícios para o importador, e é o que veremos neste conteúdo.

Container NOR: importação e exportação

O Brasil é um grande exportador de produtos básicos para diversos parceiros comerciais em todo o mundo e nossa economia historicamente tem esse perfil.

Se pegarmos os dados do MDIC de janeiro a agosto deste ano, por exemplo, veremos que as exportações de Carne Bovina, Suína e de Frango para a China, que é nosso maior parceiro comercial, representam mais de 5% da nossa balança de exportação para este país.

Além disso, também somos grandes exportadores de frutas. Todos esses produtos precisam de algum tipo de controle de temperatura e, por este motivo, o Brasil demanda uma grande quantidade de container Reefer em seus terminais.

Em contrapartida, quase tudo que a China exporta para o Brasil são produtos manufaturados e carga seca geral, que não demanda um controle específico na temperatura.

Esse desbalanceamento de demanda por container Reefer e Dry também é possível observar, mesmo que em menor escala, em outros grandes parceiros comerciais, como é o caso da União Europeia, por exemplo.

É claro que essa desproporcionalidade de demanda por tipo de container gera um problema. No caso do Brasil, por exemplo, sobram containers Dry armazenados nos terminais e constantemente faltam equipamentos refrigerados.

Solução para a falta de equipamentos refrigerados

Para resolver esse problema os armadores precisam fazer o reposicionamento destes equipamentos para equilibrar a oferta e demanda de cada país ou região, para os mais diversos tipos de containers.

Esse reposicionamento nada mais é que o transporte de containers vazios dentro dos navios que operam determinada rota. Isso acaba gerando um alto custo logístico e impactando diretamente no frete do consumidor final.

Diante desta problemática, a solução que os armadores encontraram para fazer o reposicionamento dos containers refrigerados foi vendê-los como container NOR. Com isso, ao invés de mandar quantidades enormes de containers refrigerados vazios para o Brasil, é possível utilizá-los desligados para acomodar carga seca, aquelas que não exigem controle específico de temperatura.

Vantagens ao contratar um frete de container NOR?

A principal vantagem a ser destacada, naturalmente, é o próprio custo do frete. Como o armador já teria que mandar um container refrigerado para atender a demanda brasileira e desocupar os terminais chineses, que os utilizam numa escala exponencialmente menor na exportação, por exemplo, o frete para um container NOR costuma ser até 40% mais barato que o Dry, dependendo da época do ano.

Além disso, quanto mais container NOR contratado, menor o custo com reposicionamento e, consequentemente, menor custo operacional do navio. Se o custo é menor, no final o frete ficará mais barato para todo mundo. É assim que gira a roda da economia.

O frete compõe o valor CIF da mercadoria e que é utilizado de base de cálculo para o pagamento dos tributos na importação. Contratando um container NOR, além do frete, o importador verá seus gastos com a tributação reduzirem proporcionalmente.

Quais cuidados devem ser tomados?

É importante analisar antes do embarque o tipo de mercadoria que está sendo embarcada e também a forma de manuseio.

Os containers refrigerados possuem um isolamento térmico feito de poliuretano e revestido com alumínio ou aço inoxidável que pode ser avariado dependendo o tipo de carga ou amarração utilizada, diferente do container Dry, que conta apenas com uma parede de aço sem nenhum revestimento térmico.

Com isso, é necessário muito cuidado na carga e descarga deste container, pois o custo de um reparo por uma avaria é mais elevado que de um container Dry.

Outro ponto importante é que um container NOR tem uma diferença de até 9m³ menor que um container 40’ HC, por exemplo. Então é importante checar se o espaço interno é suficiente para acomodar a mercadoria.

O container NOR proporciona isolamento térmico e é completamente vedado contra a entrada de humidade e ar externo. Por conta disso, se uma mercadoria ou embalagem for estufada com muita humidade ou mesmo molhada, isso deve se condensar dentro do container durante os vários dias que a carga ficará no mar e pode provocar problemas na mercadoria.

E então?

Pelo fato do container NOR ser um equipamento mais caro e com menor disponibilidade no mercado global, os custos de demurrage deste tipo de equipamento também são mais elevados que um container Dry.

Se a carga importada vai ficar um longo período no terminal e não é possível de ser desovada, melhor calcular os eventuais custos de demurrage e verificar se o frete irá compensar.

Tomados estes cuidados, certamente trazer uma carga através de um container NOR pode ser uma economia muito significativa na importação.

Se interessou nesse tipo de equipamento? Restou alguma dúvida? Entre em contato com a DC Logistics Brasil. Somos especialistas nesse tipo de operação e teremos prazer em lhe ajudar!

Solicite uma cotação

Carga projeto: saiba mais sobre essa solução para cargas especiais

Uma boa carga projeto é aquela capaz de enfrentar todos os desafios que envolvem o transporte de itens muito grandes ou com características físicas que não correspondem aos padrões dos meios de transporte comuns!

Confira, a seguir, o que significa esse conceito, qual a sua função e os seus principais benefícios. Além disso, descubra o que valorizar ao contratar uma empresa especializada na área. E ainda, fique por dentro de alguns casos reais de sua aplicação. 

Descubra o que é carga projeto e qual a sua função

O conceito de carga projeto diz respeito aos carregamentos que contam com dimensões ou pesos que não correspondem aos padrões tradicionais encontrados nos diferentes modais de transporte.

Seu uso é aplicado a itens como reatores, plataformas, pás eólicas, geradores, guindastes, entre outros com medidas que não podem ser adequadas a contêineres, caminhões e demais meios de transporte convencionais.

Da saída do fornecedor ao processo de transporte e armazenagem à entrega no destino final, é necessário um amplo planejamento logístico, que precisa considerar absolutamente todas as etapas do trajeto.

Seja no fretamento de carretas adaptadas, de espaços ampliados em trens, em soluções de transporte marítimo ou até no aluguel de aeronaves, são necessários diferentes estudos, intervenções e análises de viabilidade.

Imagine, por exemplo, que uma usina precise ser transportada entre duas cidades distantes. Suas dimensões fazem com que essa tarefa seja impossível sem que o trânsito das rodovias que ela atravessará seja afetado.

Sendo assim, mais que considerar as possibilidades dos diferentes modais disponíveis, levando, por exemplo, a carga em um avião ou navio adaptado para as suas dimensões, é preciso também considerar todos os pormenores logísticos.

As estradas em que a usina passará antes e depois do aeroporto ou porto marítimo deverão ser interditadas e o departamento de trânsito precisará ser acionado. Enquanto isso, será preciso alugar um galpão para protegê-la, entre outras situações.

Não importa qual seja o perfil dos itens transportados e modais disponíveis, a carga projeto deve sempre prezar pela integridade e segurança dos materiais, além do melhor padrão de agilidade e custo-benefício de todo o transporte.

Descubra, no item a seguir, todas as vantagens que esse tipo de operação pode agregar para a sua empresa.

Saiba quais são os principais benefícios

Ao contratar um serviço de carga projeto, as empresas garantem a logística adequada para os materiais que precisam transportar.

Entre seus principais benefícios, podemos destacar:

  • Amplo planejamento que garante segurança e confiabilidade no transporte de cargas especiais
  • Possibilidade de utilizar diferentes modais de transporte
  • Estudo de viabilidade para que os meios de carregamento e modais mais viáveis sejam utilizados
  • Melhor poder de negociação com transportadoras e terminais graças ao conhecimento e experiência dos operadores especializados na área
  • Mais tranquilidade para quem envia e recebe a carga, já que tudo ficara sob a responsabilidade de uma empresa terceirizada
  • Obtenção da melhor agilidade possível, também por conta do amplo planejamento realizado
  • Alinhamento às exigências legais de transporte.

Para que essas vantagens sejam possíveis, porém, é indispensável certificar-se de que os operadores da sua carga projeto estejam devidamente preparados para essa missão!

No próximo item, veja os detalhes mais importantes que devem ser priorizados pelos negócios que desejam contratar esse tipo de operação logística.

Entenda o que precisa ser valorizado nesse tipo de operação

Quando tratamos sobre carga projeto, alguns cuidados são imprescindíveis e devem ser observados pelos contratantes que procuram por uma empresa especializada na área.

O primeiro e mais importante deles é certificar-se de que os responsáveis contam com experiência, amplo conhecimento na área, além de estrutura capaz de atender todas as demandas necessárias nesse tipo tão específico e desafiador de logística.

Operadores logísticos que contam com uma equipe exclusiva para os serviços de carga projeto e uma ampla rede de profissionais especializados nesse tipo de operação podem fazer toda a diferença nos seus resultados práticos e financeiros.

Mais que um bom poder de negociação com terminais nacionais para descargas especiais, é preciso também que a empresa desempenhe um planejamento minucioso e focado em cada detalhe do processo.

A minimização de riscos deve ser prezada não só durante a organização logística, mas também durante a contratação de fretes e seguros.

É preciso certificar-se de que o operador logístico seja capaz de atuar em diversos segmentos, para que todas as necessidades e demandas do seu negócio sejam realmente sanadas!

Confira alguns casos reais em que a carga projeto fez a diferença!

Para se ter uma ideia dos desafios que envolvem uma carga projeto, é possível citar algumas operações realizadas pela DC Logistics Brasil, que há mais de 10 anos é referência no setor.

Durante o transporte de uma máquina de polimento de telha cerâmica inteira da Itália para o sul do Brasil, por exemplo, foi manejada uma remessa de duas partes soltas com 33,5 toneladas cada.

Buscada em 3 pontos diferentes no nordeste da Itália e enviada de Livorno para Navegantes, em solo brasileiro, ela media 16,90m de comprimento x 2,40m de largura x 2,40m de altura.

Ambas as partes foram enviadas soltas em um mesmo navio, carregadas e amarradas em uma cama de contêineres flat racks junto dos acessórios, embarcados em 1 x 40’ flat rack, 10 x 40’ OT e 2 x 20’ OT, tudo sob o mesmo Conhecimento de Carga.

Em outro serviço, uma remessa de 6 partes soltas, que continha uma grande turbina de 42,9 toneladas, foi enviada de Paranaguá, no Brasil, para Port Hueneme, Califórnia, nos EUA.

Para esse item de maior porte, foi utilizado um reboque MAFI, enquanto as peças menores eram embarcadas no navio por empilhadeira e manuseadas soltas. A carga foi transportada de Port Hueneme para o Havaí por um agente parceiro local, que fez o transbordo e controlou a remessa até a entrega ao importador.

Muitos outros casos poderiam ser mencionados – a empresa inclusive já transportou uma grande carga no avião Antonov 124, o segundo maior cargueiro do mundo – mas essas duas situações demonstram como experiência e qualificação são fundamentais!

Se a sua empresa precisa de um serviço completo de carga projeto e deseja contar com todo o padrão de qualidade da DC Logistics Brasil, clique abaixo, entre em contato conosco e solicite uma cotação de frete sem compromisso!

Solicite uma cotação

Você sabe o que é o desembaraço aduaneiro?

Muitas pessoas não conhecem, mas quem é do ramo já ouviu falar no desembaraço aduaneiro. Ele é conhecido como a liberação de uma mercadoria pela alfândega para que esta possa entrar no país, nesse caso a importação. O mesmo serve para a saída, a exportação.  

Mas antes, toda a documentação é verificada. É um ato de despacho, onde quem realiza todo o processo e finaliza é um órgão federal. É a partir daí que as mercadorias podem ser liberadas.

No despacho de importação, são verificados os dados declarados pelo exportador. Verifica-se ainda os documentos e se tudo está em conformidade com a legislação específica daquele produto.

O desembaraço aduaneiro registra a conclusão da conferência aduaneira e é através dele que se autoriza a entrega da mercadoria ao interessado, sendo o último ato do procedimento do despacho.

Neste post você vai saber mais sobre ele e quais são os documentos necessários. Continue a leitura!

Desembaraço aduaneiro: entenda melhor!

Para iniciar o desembaraço aduaneiro é preciso que haja a conferência aduaneira. Não pode haver irregularidades ou qualquer tipo de empecilho. Mesmo assim, antes da entrega do produto, a autoridade aduaneira deve registrar o desembaraço no Sistema Integrado de Comércio Exterior, o Siscomex.

Um instrumento que integra as atividades de registro, acompanhamento e controle das operações de comércio exterior, através de um fluxo único e computadorizado de informações. Isso cujo processamento é efetuado exclusiva e obrigatoriamente pelo sistema.

Você sabe quais documentos são necessários para o desembaraço aduaneiro?

Comprovante de Importação: quando o desembaraço é registrado no Siscomex, o comprovante de importação é expedido e entregue ao importador, este documento confirma a regularidade da mercadoria no país.

Documento de Conhecimento de Carga: é o documento que irá comprovar o envio internacional do bem para o destinatário no Brasil.

Comprovante de Pagamento da Taxa do Departamento de Marinha Mercante (transportes marítimos): o Adicional ao Frete para a Renovação da Marinha Mercante (AFRMM) é a contribuição para-fiscal e destina-se como apoio ao desenvolvimento da marinha mercante e indústria naval brasileira. Tudo está interligado e se o AFRMM não estiver pago, a carga não sai do lugar. Ele é aplicado apenas em importações marítimas.

Comprovante do Pagamento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS): é obrigatório e uma exigência, é preciso ter feito o recolhimento prévio do ICMS como condição para desembaraço aduaneiro de mercadoria importada.

Declaração de Trânsito Aduaneiro: é utilizado quando o comerciante internacional precisa desembaraçar sua carga em local próximo ao ponto de exportação, ou perto de suas plantas, na importação. A documentação deve ser feita antes que a mercadoria chegue à zona de desembaraço.

Declaração de Importação: formulário base para o propósito do despacho aduaneiro e que se encontra inserido no Siscomex. Só pode ser operado com senha no Siscomex e somente quem a possui pode preencher a Declaração. A habilitação que deverá ser providenciada para utilizar o sistema é conhecida como RADAR (Registro e Rastreamento de Atuação dos Intervenientes Aduaneiros).

Quem pode fazer o desembaraço aduaneiro?

Será necessário a contratação de um profissional credenciado. O valor a ser pago a este profissional vai depender do projeto de importação.

Para a Declaração da Importação, segue-se a mesma regra, contratar um profissional. O despachante aduaneiro fará a Declaração de Importação (registro com todas as informações de sua importação).

Ao registrar a DI, você pagará os impostos e as mercadorias só serão fiscalizadas após este pagamento. Feito a conferência, se liberado, você recebe o canal verde.

Se recebeu o canal amarelo, você terá que apresentar os documentos para o fiscal conferir. Se for o canal vermelho, o conteúdo será aberto para uma conferência mais detalhada. E isso, com certeza, fará com que a importação demore mais.

Prazo para o desembaraço aduaneiro

De acordo com o Artigo 4º, do Decreto de Lei nº 70.235/72, que se refere ao processo administrativo fiscal, é caracterizado excesso de prazo quando ultrapassar oito dias.

Entenda o passo a passo do processo de desembaraço aduaneiro:

  1. Registro: feito a partir do momento em que a DI for registrada pelo Siscomex, o Sistema é quem iniciará o processo de liberação das mercadorias. O pagamento das taxas de importação é feito quando a DI é registrada.
  2. Definição de parâmetros: nesta etapa o Siscomex processa a DI e irá definir o canal.
  3. Despacho para a alfândega: quando a DI será enviada para o inspetor de impostos.
  4. Julgamento: aqui é a vez do inspetor fiscal, ele processará o despacho automático, analisará os documentos, exame físico e, por fim, fará a análise do valor declarado da alfândega.
  5. Apuramento: dando certo os requisitos fiscais e a importação tenha sido atendida, os bens estarão disponíveis para o importador.

Ficou com dúvidas sobre o assunto? Entre em contato conosco! Se desejar, clique abaixo e solicite uma cotação de frete sem compromisso!

Solicite uma cotação

Diferença entre agente de carga e despachante aduaneiro

Você sabe a diferença entre despachante aduaneiro e agente de carga?

Quando se fala em importação ou exportação é fundamental que você entenda as diferenças entre o despachante aduaneiro e o agente de carga. Isso porque, ambos desempenham funções importantes no processo logístico, principalmente no mercado exterior.

Existem muitas pessoas que lidam com questões relacionadas a logística da empresa, mas não sabem as funções que cabem a cada um desses profissionais.

Por isso, vamos apresentar suas diferenças e funções quanto as operações logísticas. Assim você saberá quando poderá contratar cada um deles, de acordo com a necessidade e demanda do seu negócio. Continue a leitura!

Despachante aduaneiro

O despachante aduaneiro é um prestador de serviços que recebe poderes – através de uma procuração ou contrato – para atuar em nome do cliente – importador ou exportador – no processo de desembaraço da mercadoria.

Ele irá atuar como representante do cliente frente a diversos órgãos que se fazem presentes durante a operação logística como a RFB, ANVISA, MAPA, Autoridade Portuária, INFRAERO, IBAMA e INMETRO. E ainda, bancos, portos e empresas de logística, dentre outros.

Para que se torne ainda mais claro o entendimento sobre quem é o despachante aduaneiro, acreditamos ser relevante apresentarmos também o conceito de despacho aduaneiro e desembaraço aduaneiro.

Uma das principais atividades que cabem ao despachante aduaneiro é a elaboração ou auxílio ao importador ou exportador na elaboração da DI (Declaração de Importação) e o registro dela no Siscomex.

Dentro da formulação da DI, o despachante aduaneiro pode ajudar a empresa a definir a destinação correta das mercadorias, bem como, qual o regime tributário mais adequado para determinada operação.

Entendido isso, o despacho aduaneiro é o processo que tem como objetivo verificar se todas as informações declaradas com relação à carga e a documentação são verdadeiras.

Ao elaborar esta declaração juntamente com o cliente e registrá-la, ela é apresentada à Receita Federal. Caso as informações sejam verídicas, a saída ou entrega das mercadorias são autorizadas e é neste momento que acontece o desembaraço aduaneiro.

Ou seja, quando a Receita Federal libera um produto importado após fazer a verificação dos dados contidos na DI (Declaração de Importação).

Agente de carga

Agente de carga

O agente de carga é um prestador de serviços logísticos que desenvolve soluções personalizadas para os usuários do transporte de carga em qualquer modal (aéreo, marítimo ou terrestre).

Enquanto ele é responsável pelo conhecimento de embarque e, caso seja do seu interesse, por atuar como intermediário na emissão ou subcontratação de empresa terceira para emissão de licença de exportação ou outros documentos, o despachante aduaneiro vai representá-lo frente aos órgãos que realizam o desembaraço da mercadoria.

Algumas funções do despachante aduaneiro

  • Providencia licenças e documentações de exportação e importação em todas as etapas
  • É responsável pelo controle fiscal, tributário e contábil da operação
  • Representa pessoas físicas no desembaraço da carga
  • Efetua o registro de operações no Siscomex
  • Prepara e assina documentos que servem de base para o despacho aduaneiro
  • Realiza a conferência de mercadorias
  • Efetua a administração de questões fiscais, logísticas, cambiais e aduaneiras
  • É interlocutor entre exportador e importador
  • Providencia pagamento de impostos
  • Indica o regime tributário ao qual está submetida a carga
  • Firma termos de responsabilidade
  • Realiza o recebimento das mercadorias desembaraçadas
  • Efetua solicitação e acompanhamento de vistoria aduaneira.

Algumas funções do agente de carga

  • Realiza estudo logístico do processo
  • Analisa os modais e define qual é a melhor opção para o transporte da sua carga
  • Define os melhores fornecedores para um ou mais modais escolhidos
  • Emite o conhecimento de embarque
  • Acompanha a movimentação da mercadoria
  • Negocia e contrata o seguro para sua carga levando em consideração suas especificações e necessidades
  • Está apto a resolver imprevistos relacionados ao transporte
  • Efetua a consolidação e desconsolidação de mercadorias
  • Melhora a negociação com fornecedores como um todo, sem prejudicar a segurança e qualidade do transporte.

E então?

Você viu que explicamos quem é o despachante aduaneiro e quem é o agente de carga. E ainda, apresentamos algumas funções que cada qual desempenha no processo logístico.

De uma maneira bem simples, caso você queira passar a responsabilidade de transporte de uma mercadoria para o despachante aduaneiro, ele irá realizar as ações em seu nome.

Já o agente de carga, neste caso, irá tratar de todas as questões do processo com o despachante, sendo responsável principalmente por todos os aspectos que envolvem desde a coleta até a entrega da sua mercadoria no destino.

Você já utiliza os serviços de algum desses profissionais? Conte nos comentários!

Se desejar, clique abaixo, solicite uma cotação de frete e descubra como podemos realizar a logística da sua carga com segurança e qualidade em todo o processo!

Cotação

Gestão de fornecedor: como você controla o histórico de entregas?

Como você controla os prazos e a integridade da carga que recebe ou envia? Como você sabe que este ou aquele fornecedor é de qualidade?

Esses pontos são decisivos para qualquer operação logística e precisam estar sendo monitorados. Isso porque é através do controle das informações desta relação com o fornecedor que você consegue mapear se mantém esse parceiro ou se troca por outro.

Nesse sentido, hoje queremos falar sobre a importância de ter um histórico de entregas. Isso com o intuito que suas decisões atuais e futuras quanto ao fornecedor sejam mais assertivas para a logística do seu negócio. Continue a leitura!

Você faz a gestão de fornecedor no seu negócio?

É bem provável que algum indicador você já tenha quanto ao seu fornecedor. Ele sempre entrega no prazo? Como são as condições de pagamento? Ele oferece um desconto diferenciado com frequência?

Mapear todas as negociações quanto ao transporte logístico da sua empresa é primordial para que você consiga responder as perguntas acima. E ainda, para que você tenha argumentos junto aos seus superiores quando identificar a necessidade de trocar de um fornecedor para outro. Ou você só coloca o preço como fator de escolha?

Quando se trata da gestão de fornecedor, antes de efetivar a parceria, você precisa avaliar alguns critérios importantes. Isso com o objetivo de que ele seja a solução completa para as operações do seu negócio.

Entretanto, essa gestão deve ser criteriosa não só na seleção e avaliação das opções do mercado, mas principalmente durante a prestação dos serviços de transporte que são contratados pela sua empresa ao longo do tempo.

Importância da gestão de fornecedor e histórico de entregas

Importância da gestão de fornecedor e histórico de entregas

Em outro conteúdo aqui do nosso blog falamos sobre Principais fatores para a escolha do transporte de carga internacional. Nele mencionamos aspectos que podem ser avaliados no transporte para que ele seja uma opção segura e de qualidade, principalmente quando não se tem um histórico.

Como questionamos no início do conteúdo, de qual forma você acompanha o cumprimento dos prazos estabelecidos ao seu fornecedor? Você sabe se o último prazo de entrega acordado era realmente a melhor opção?

Esses são só alguns pontos que podem ser levantados quanto a falta que o histórico de entregas pode fazer. A relevância dele se encontra em permitir avaliar a atuação do fornecedor nas demandas do seu negócio e em fornecer direta e indiretamente dicas e insights para melhorar o processo logístico.

Outro fator que reforça a relevância de ter um histórico dos serviços prestados pelo fornecedor, é quanto ao fato do transporte seguro e eficaz ser um fator de competitividade do seu negócio em relação à concorrência.

Isso quer dizer que se ele realiza a logística das suas mercadorias com qualidade, segurança, preço competitivo e otimização do prazo de entrega, você pode estar à frente dos demais negócios do seu setor no mercado.

E como você saberá se estes pontos estão dentro ou fora do que o seu negócio precisa/espera? Efetuando o controle e tendo um histórico das entregas!

Dicas para criar um histórico de entregas

Um software de gerenciamento ERP focado na cadeia de suprimentos pode facilitar a criação de um histórico de entregas. E ainda, proporcionará uma melhor gestão de fornecedor, bem como, permitirá uma análise de desempenho dele.

Se você não encontrar no mercado uma opção automatizada, vale a pena se dedicar e lançar todas essas informações em uma planilha de Excel.

Como já mencionamos durante este conteúdo, a gestão de fornecedor vai colaborar para que você identifique pontos falhos na logística. E ainda, para que você possa ao longo do tempo ter critérios sólidos para manter ou trocar fornecedores.

Isso com o objetivo de atuar continuamente no mercado com assertividade e eficiência, realizando a operacionalização logística do seu negócio com qualidade e segurança em todos os processos.

Se você ficou com alguma dúvida sobre o assunto, entre em contato conosco! Caso tenha interesse, solicite uma cotação e descubra como atuar de forma completa na logística da sua empresa!

Cotação