Posts

Importação direta e indireta

Importação direta e indireta: saiba a diferença e as vantagens de cada uma!

Optar pela importação direta ou indireta é uma importante escolha para as empresas que precisam lidar com o comércio internacional.

Enquanto a primeira é operacionalizada pela própria organização, a segunda conta com o apoio de um agente de carga, especializado nesse tipo de logística.

É fato que não existe uma resposta certa sobre qual é a melhor escolha: tudo depende do perfil de cada negócio e das vantagens oferecidas pelo eventual agente!

A seguir, saiba mais sobre cada tipo de importação e entenda as suas principais vantagens e desvantagens. Continue a leitura!

Como é feita a importação direta?

Qualquer empresa pode realizar a importação direta, entretanto isso exige preparo, conhecimento na área e a habilitação junto à Receita Federal.

Além de habilitar o radar de importação sob os critérios da lei, você deve desenvolver estudos sobre os produtos e fornecedores pretendidos para as suas operações comerciais.

Após essa etapa, é dado início à etapa de contato e negociações junto aos fornecedores previamente selecionados. É após o apagamento que o gerenciamento do embarque feito por você é iniciado.

Quais são as suas principais vantagens?

Em poucas palavras, ao optar pela importação direta, sua empresa garante mais flexibilidade para seus processos logísticos e agrega controle integral sobre eles. Isso não dependendo de terceiros para operacionalizar o transporte das suas mercadorias.

Apesar de interessantes, porém, esses benefícios são acompanhados de algumas demandas e até mesmo contrapartidas que precisam ser consideradas.

Quais as desvantagens da importação direta?

Para que todos os benefícios mencionados no item anterior sejam possíveis, é necessário levar em consideração uma série de fatores organizacionais que precisam ser otimizados e estar em pleno alinhamento para as demandas de importação.

Isso inclui o investimento em uma estrutura completa focada no time de importações, que deve ser devidamente equipado e qualificado para atender às exigências legais e de mercado que envolvem essa complexa atividade.

Além disso, a falta de experiência em importações pode dificultar a vida das empresas que estão começando nessa área.

Problemas de negociação com estrangeiros e falta de conhecimento sobre os mercados de fornecimento são alguns dos problemas mais comuns nesse sentido. Falta de familiaridade com procedimentos, legislação e custos são outros empecilhos.

Para driblar esse tipo de situação muitos negócios apostam na contratação de operadores logísticos especializados em importações. Saiba mais sobre esse tipo de negócio no próximo item.

O que é importação indireta?

o que é a importação indireta

Conforme mencionamos logo no início do artigo, a importação indireta é aquela que tem toda a sua operação feita por meio de uma empresa intermediária, que conta com a experiência e qualificação necessária para o processo.

Sua adesão geralmente é feita por conta das facilidades e da segurança que oferece aos importadores e exportadores, mas também existem casos em que o operador logístico possui exclusividade sob as operações de determinado produto.

Basicamente, nessa modalidade, todo o processo logístico é feito pelo agente em questão. Isso inclui desde os tramites para autorização junto à Receita Federal, até a finalização da coordenação de embarque.

Por que a importação indireta é vantajosa?

O benefício mais marcante ao optar por um agente de carga que realiza importações indiretas é a praticidade agregada nesse tipo de serviço. Isso porque, os especialistas na área conhecem todas as suas nuances e o realizam de maneira muito mais veloz.

Isso também acrescenta mais segurança e economia, já que eventuais erros e repetições são evitados durante os processos.

Como se não bastasse, por seu contato constante com representantes do mercado internacional, o poder de barganha aumenta junto aos fornecedores. Isso muito também por conta dos conhecimentos específicos sobre o mercado em questão.

Basicamente, as vantagens da importação indireta representam o inverso dos argumentos apresentados no item sobre as desvantagens da importação direta!

Isso quer dizer que o operador logístico contratado garante mais facilidade de comunicação com os agentes externos, maior conhecimento sobre os processos burocráticos, além de melhor capacidade de negociação.

Claro que, como em qualquer negócio, essa modalidade também pode trazer alguns pontos negativos. Descubra os principais deles no próximo item.

Quando não optar pela importação indireta?

Por mais benéfica e segura que seja a importação indireta, ela exige que você abra mão do contato direto com os fornecedores escolhidos, o que torna as parcerias mais impessoais.

Ao perder o controle integral das suas operações logísticas relacionadas à importação, os negócios muitas vezes também perdem flexibilidade nesse sentido, já que passam a depender dos prazos e parâmetros dos agentes de carga.

Apesar disso, com parceiros comprometidos e alinhados às demandas do seu negócio, é possível driblar essas questões! Saiba, no item seguinte, como optar pelo agente de carga ideal para as importações da sua empresa.

Como optar pelo operador logístico ideal para as importações da sua empresa?

Todas as intermediações feitas por operadores são submetidas à regulamentação da Receita Federal por meio dos regimes de importação por encomenda e importação por conta e ordem.

A primeira questão para observar no agente de carga escolhido é o alinhamento aos requisitos legais impostos por essas modalidades. Outro ponto indispensável é verificar a experiência dele no segmento, bem como, a qualificação e relação com outros clientes.

No mercado desde 1994, a DC Logistics Brasil se destaca no gerenciamento logístico de transportes internacionais, já que conta com uma rede completa de parceiros qualificados e tem foco total nas necessidades dos clientes!

Ela também mantém um constante processo de qualificação da equipe e realiza o aprimoramento dos processos, reafirmando sua posição de referência no setor.

E você, gostou de saber mais sobre os detalhes da importação direta e indireta? Se ficou com alguma dúvida sobre o assunto, entre em contato conosco!

Se desejar, faça o download gratuito do nosso Guia passo a passo de realização da operação de importação!

Download Guia Passo a passo para a realização da operação de importação

Container NOR – entenda mais sobre ele e suas vantagens

O Container NOR, sigla do inglês para “Non-Operating Reefer” ou simplesmente Container Refrigerado Desligado, ainda é um tabu para muitos importadores brasileiros, seja por falta de conhecimento ou por medo dos riscos envolvidos em utilizar esse tipo de container.

Porém, utilizar um container NOR para a importação de carga seca pode trazer benefícios para o importador, e é o que veremos neste conteúdo.

Container NOR: importação e exportação

O Brasil é um grande exportador de produtos básicos para diversos parceiros comerciais em todo o mundo e nossa economia historicamente tem esse perfil.

Se pegarmos os dados do MDIC de janeiro a agosto deste ano, por exemplo, veremos que as exportações de Carne Bovina, Suína e de Frango para a China, que é nosso maior parceiro comercial, representam mais de 5% da nossa balança de exportação para este país.

Além disso, também somos grandes exportadores de frutas. Todos esses produtos precisam de algum tipo de controle de temperatura e, por este motivo, o Brasil demanda uma grande quantidade de container Reefer em seus terminais.

Em contrapartida, quase tudo que a China exporta para o Brasil são produtos manufaturados e carga seca geral, que não demanda um controle específico na temperatura.

Esse desbalanceamento de demanda por container Reefer e Dry também é possível observar, mesmo que em menor escala, em outros grandes parceiros comerciais, como é o caso da União Europeia, por exemplo.

É claro que essa desproporcionalidade de demanda por tipo de container gera um problema. No caso do Brasil, por exemplo, sobram containers Dry armazenados nos terminais e constantemente faltam equipamentos refrigerados.

Solução para a falta de equipamentos refrigerados

Para resolver esse problema os armadores precisam fazer o reposicionamento destes equipamentos para equilibrar a oferta e demanda de cada país ou região, para os mais diversos tipos de containers.

Esse reposicionamento nada mais é que o transporte de containers vazios dentro dos navios que operam determinada rota. Isso acaba gerando um alto custo logístico e impactando diretamente no frete do consumidor final.

Diante desta problemática, a solução que os armadores encontraram para fazer o reposicionamento dos containers refrigerados foi vendê-los como container NOR. Com isso, ao invés de mandar quantidades enormes de containers refrigerados vazios para o Brasil, é possível utilizá-los desligados para acomodar carga seca, aquelas que não exigem controle específico de temperatura.

Vantagens ao contratar um frete de container NOR?

A principal vantagem a ser destacada, naturalmente, é o próprio custo do frete. Como o armador já teria que mandar um container refrigerado para atender a demanda brasileira e desocupar os terminais chineses, que os utilizam numa escala exponencialmente menor na exportação, por exemplo, o frete para um container NOR costuma ser até 40% mais barato que o Dry, dependendo da época do ano.

Além disso, quanto mais container NOR contratado, menor o custo com reposicionamento e, consequentemente, menor custo operacional do navio. Se o custo é menor, no final o frete ficará mais barato para todo mundo. É assim que gira a roda da economia.

O frete compõe o valor CIF da mercadoria e que é utilizado de base de cálculo para o pagamento dos tributos na importação. Contratando um container NOR, além do frete, o importador verá seus gastos com a tributação reduzirem proporcionalmente.

Quais cuidados devem ser tomados?

É importante analisar antes do embarque o tipo de mercadoria que está sendo embarcada e também a forma de manuseio.

Os containers refrigerados possuem um isolamento térmico feito de poliuretano e revestido com alumínio ou aço inoxidável que pode ser avariado dependendo o tipo de carga ou amarração utilizada, diferente do container Dry, que conta apenas com uma parede de aço sem nenhum revestimento térmico.

Com isso, é necessário muito cuidado na carga e descarga deste container, pois o custo de um reparo por uma avaria é mais elevado que de um container Dry.

Outro ponto importante é que um container NOR tem uma diferença de até 9m³ menor que um container 40’ HC, por exemplo. Então é importante checar se o espaço interno é suficiente para acomodar a mercadoria.

O container NOR proporciona isolamento térmico e é completamente vedado contra a entrada de humidade e ar externo. Por conta disso, se uma mercadoria ou embalagem for estufada com muita humidade ou mesmo molhada, isso deve se condensar dentro do container durante os vários dias que a carga ficará no mar e pode provocar problemas na mercadoria.

E então?

Pelo fato do container NOR ser um equipamento mais caro e com menor disponibilidade no mercado global, os custos de demurrage deste tipo de equipamento também são mais elevados que um container Dry.

Se a carga importada vai ficar um longo período no terminal e não é possível de ser desovada, melhor calcular os eventuais custos de demurrage e verificar se o frete irá compensar.

Tomados estes cuidados, certamente trazer uma carga através de um container NOR pode ser uma economia muito significativa na importação.

Se interessou nesse tipo de equipamento? Restou alguma dúvida? Entre em contato com a DC Logistics Brasil. Somos especialistas nesse tipo de operação e teremos prazer em lhe ajudar!

Solicite uma cotação