BLOG DC / Agência Internacional de Energia prevê crescimento na demanda por petróleo no Sudeste asiático até 2040

Agência Internacional de Energia prevê crescimento na demanda por petróleo no Sudeste asiático até 2040

As nações emergentes dependem do petróleo para transportar suas populações em rápida expansão, exportar produtos e produzir plástico. O resultado disso é que a demanda pelo produto no Sudeste asiático seguirá em crescimento até pelo menos 2040. A previsão foi feita pela Agência Internacional de Energia (IEA), na terça-feira (24/10).

De acordo com a agência, a expectativa é que o uso de petróleo na região aumentará para aproximadamente 6,6 milhões de barris por dia até 2040. Isso porque o número de veículos nas ruas deve chegar a 62 milhões nesse mesmo ano. Atualmente são usados 4,7 milhões de barris.
Existe um esforço global para diminuir o uso do petróleo. Substituir os motores a combustão por veículos elétricos seriam uma das saídas para conter as mudanças climáticas. Isso aumentou as preocupações da indústria petrolífera de que a demanda pela commodity pode atingir o pico nos próximos 10 a 20 anos.

Durante a Semana Internacional de Energia de Cingapura, o diretor de mercados de energia e segurança da IEA, Keisuke Sadamor, afirmou que, de qualquer maneira, o petróleo continuará a corresponder a 90 por cento da demanda de transportes no Sudeste asiático, especialmente no que diz respeito a caminhões e navios. “A menos que haja qualquer mudança tecnológica drástica que possa descarbonizar estas áreas, nós não esperamos que a demanda por petróleo caia”, disse.

Demanda mundial
A demanda mundial por petróleo poderá crescer em 1,4 milhão de barris por dia em 2018, de acordo com a edição de outubro do relatório mensal da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

A projeção foi ampliada em 30 mil barris diários em relação à estimativa anterior da entidade, segundo informações publicadas na quinta-feira (12/10) pela Emirates News Agency (WAM). De acordo com a agência de notícias, essa revisão para cima levou em consideração as perspectivas mais favoráveis para a economia mundial, principalmente para a China e a Rússia.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.